Notícias

CPI da Covid indicia Bolsonaro por nove crimes em relatório final

CPI da Covid é encerrada e acusa Bolsonaro de nove crimes em relatório final. Foram adicionados doze novos nomes na lista de indiciamentos.

3 min de leitura
27 Out 2021 - 08h00 | Atulizado em 27 Out 2021 - 08h00

A CPI da Covid aprovou o relatório final nesta terça-feira (26), após seis meses de investigações. Foram mais de sete horas de discussão, com dois intervalos e doze novos nomes na lista de indiciamentos, junto com o presidente Jair Bolsonaro, que foi acusado de nove crimes. 

 

Os novos indiciados são assessores e ex-assessores do Ministério da Saúde, pessoas envolvidas no “mercado paralelo” de vacinas, o governador do Amazonas, Wilson Lima, e o ex-secretário de Saúde do estado, Marcellus Campêlo. O nome do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) também foi incluído na lista, mas foi retirado novamente no fim da tarde. 

 

Em relação a Bolsonaro, Renan Calheiros pede indiciamento pelos seguintes crimes: 

 

Epidemia com resultado morte 

Infração de medida sanitária preventiva 

Charlatanismo 

Incitação ao crime 

Falsificação de documento particular 

Emprego irregular de verbas públicas 

Prevaricação 

Crimes contra a humanidade 

Crimes de responsabilidade (violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo 

 

De acordo com Renan, as ações de Bolsonaro durante a pandemia podem ser enquadradas em crime de responsabilidade — infração que pode resultar em impeachment. 

 

Além disso, houve pedido para que a advocacia do Senado acione o Supremo Tribunal Federal e a Procuradoria-Geral da República a fim de que haja a responsabilização de Bolsonaro por "campanha antivacina". 

Tal pedido vem logo após o presidente espalhar fake news em live, onde disse que a vacina contra Covid-19 causava Aids, o que resultou também na solicitação do relatório de que Bolsonaro seja afastado de todas as redes sociais para a “proteção da população brasileira”. O relatório reúne, entre outros elementos, imagens do presidente provocando aglomerações, declarações em que desdenha da vacina e incita a população a invadir hospitais e o esforço pessoal de Bolsonaro, ao lado do Itamaraty, para articular com a Índia a compra de matéria-prima para a produção de cloroquina – remédio ineficaz para a Covid, além de detalhar o atraso na aquisição de vacinas e a falta de resposta às fabricantes, como a Pfizer e o Instituto Butantan, que desde 2020 tentavam vender o imunizante ao governo brasileiro. 

 

Rio quer liberar o não uso das máscaras

Brasil atinge a marca de 51% da população completamente vacinada contra a COVID-19

Jair Bolsonaro aprova lei que reduz mais de R$600 milhões de verbas para ciência


 

Renan Calheiros chamou Bolsonaro de "homicida" em seu último discurso como relator 

Em seu último discurso na condição de relator da CPI da Covid, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) chamou o presidente Jair Bolsonaro de "despreparado", "desonesto", "caviloso" (falso, fingido), "arrogante", "autoritário", "homicida", entre outras adjetivações. Além disso, afirmou que o governo "sabotou a ciência" e que o presidente agiu como um "missionário enlouquecido para matar o próprio povo". Disse também que: "O caos do governo Jair Bolsonaro entrará para a história como o mais baixo degrau da indigência humana e civilizatória. Reúne o que há de mais rudimentar, infame e sombrio da humanidade". 

O relatório final encerra seis meses de investigações da pandemia que deixou mais de meio milhão de mortos no país. Após a aprovação do mesmo, os senadores fizeram um minuto de silêncio pelas mortes causadas pela doença.


Renan Calheiros foi relator da CPI da Covid. (Foto: Reprodução/Edilson Rodrigues/ Agência Senado)


 

No início deste mês, o Brasil se tornou o 2º país em óbitos causados pelo novo coronavírus, o 3º com mais casos confirmados e o 4º em doses de vacinas aplicadas. 

 
 

Foto Destaque: Relatório final da CPI da Covid. Alessandro Dantas/PT no Senado

Deixe um comentário