Saúde e Bem Estar

Por que a vacina contra a Covid-19 ainda não está disponível para crianças?

Enquanto a corrida para vacinar a população mundial contra a Covid-19 se acelera, vêm o questionamento sobre quando as crianças menores de 12 anos serão inseridas nesse contexto promissor.

3 min de leitura
27 Jul 2021 - 12h00 | Atulizado em 27 Jul 2021 - 12h00

Enquanto a corrida para vacinar a população mundial contra a Covid-19 se acelera, vêm o questionamento sobre quando as crianças menores de 12 anos serão inseridas nesse contexto promissor. Enquanto o mundo espera por uma vacina, crianças pequenas não vacinadas permanecem vulneráveis. Era evidente que as pessoas mais velhas eram mais seriamente afetadas pela infecção, então os testes da vacina começaram com elas.

O fato é que o sistema imunológico das crianças de 12 anos ou menos se comporta diferente de um adulto. As crianças não são “pequenos adultos”. E as grandes farmacêuticas norte-americanas, tais como a Pfizer e Moderna, ainda estão testando como a vacina funciona nos pequenos, ou seja, se são seguras e qual seria a dosagem adequada.

Outro motivo pelo qual a vacinação deste público está se movendo lentamente: “as empresas querem ter certeza de que ela não tornará as crianças que tenham Covid-19 mais doentes, um cenário denominado reforço imunológico. Isso é baseado no que aconteceu na década de 1960 com uma vacina que deveria defender contra o RSV, a infecção pelo vírus sincicial respiratório”, disse Dr. Peter Hotez, vacinologista e reitor da Escola Nacional de Medicina Tropical do Baylor College of Medicine.


Reprodução/Arapongas


Esses testes podem levar meses e o fato é que os EUA estão há poucas semanas para a reabertura das escolas para o semestre de outono. Os pais ainda estão na incerteza sobre quando poderão levar seus pequenos para as aulas.

“Eu entendo a preocupação dos pais em querer que seus filhos sejam vacinados, mas temos que nos certificar de que estamos fazendo o melhor e mais seguro para as crianças”, disse Dr. Chip Walter, pediatra da Duke University e investigador dos testes da Pfizer.

"As empresas estão dizendo no outono... Eu ficaria surpreso se elas pudessem agir tão rapidamente, embora eu suponha que seja possível", disse Dr. Peter Hotez, vacinologista e reitor da Escola Nacional de Medicina Tropical do Baylor College of Medicine.

No Brasil, há rumores de volta às aulas presenciais e a pergunta fica na cabeça dos pais sobre o que fazer com seus filhos menores de 12 anos que já não aguentam mais ficarem em casa, além de não terem aprendizado adequado em aulas online.

Os atrasos de aprendizado causados pela pandemia da Covid-19 podem demorar até 11 anos para serem revertidos, afirmou o secretário estadual de educação de São Paulo, Rossieli Soares.

https://lorena.r7.com/post/Harmonizacao-x-desarmomizacao-facial-dr-Aquiles-Rodrigues-explica-como-evitar-exageros

 

https://lorena.r7.com/post/Como-a-mudanca-climatica-vem-afetando-as-pessoas-ultimamente

https://lorena.r7.com/post/Popularizacao-no-home-office-contribuiu-para-o-aumento-do-sedentarismo-na-populacao

Covid-19 e o risco para crianças

Embora a reação da Covid-19 nas crianças seja mais rara do que em adultos, pode inclusive levar à morte. Ao contrário de outros vírus de doenças infantis, o coronavírus podem causar efeitos colaterais graves a longo prazo.

As crianças devem ser sempre avaliadas pelo pediatra e seguir os mesmos cuidados que os adultos, lavando frequentemente as mãos e mantendo o distanciamento social, já que podem também contrair e transmitir o Covid-19 para as pessoas de maior risco, como pais ou avós.

Principais sintomas

Os sintomas da Covid-19 em crianças normalmente são mais leves que os do adulto e incluem:

·       - Febre acima de 38ºC;

·       - Tosse persistente;

·       - Coriza;

·        - Dor de cabeça;

·        - Redução do paladar e olfato;

·        - Dor de garganta;

·        - Náuseas e vômitos;

·        - Diarréia;

·        - Cansaço excessivo;

·        - Diminuição do apetite.

Os sintomas duram entre 6 e 21 dias são semelhantes aos de uma virose e, por isso, também podem ser acompanhados de algumas alterações gastrointestinais, como dor abdominal, diarréia ou vômitos, por exemplo.

Foto Destaque: Reprodução/Getty Images

Deixe um comentário