Esportes

Medalhista de prata desafiou proibição do Comitê Olímpico Internacional

Raven Saunders, americana, atleta do arremesso de peso, foi a primeira atleta a protagonizar uma cena de protesto nas Olimpíadas de Tóquio 2020. A jovem de 25 anos ergueu seus braços e os cruzou formando um X, na premiação de sua medalha de prata.

3 min de leitura
05 Ago 2021 - 19h20 | Atulizado em 05 Ago 2021 - 19h20

A atleta americana Raven Saunders protagonizou a primeira manifestação no pódio das Olimpíadas de Tóquio 2020, após conquistar a medalha de prata no arremesso de peso feminino. Enquanto as outras medalhistas posavam para fotos, Raven Saunders ergueu seus braços e os cruzou formando um X. A mesma disse que o ato representa "o cruzamento em todas as pessoas oprimidas se encontram".

A jovem americana de 25 anos, negras, lésbica e fala abertamente sobre sua luta contra a depressão, disse que queria "ser eu e não se desculpar".


Raven Saunders comemorando sua medalha de prata nas Olimpíadas de Tóquio 2020 -Andrej Isaković/AFP/Getty Images

Raven Saunders comemorando sua medalha de prata nas Olimpíadas de Tóquio 2020. (Foto: Reprodução/Andrej Isaković/AFP/Getty Images)


Após a competição, Raven disse que pretendia chamar a atenção para todas as "pessoas que estão lutando e não têm plataforma para falar por si mesmas". "Faço parte de muitas comunidades", acrescenta Saunders, que comemorou bastante seu arremesso final.

 

https://lorena.r7.com/post/Atletismo-Thiago-Braz-conquista-o-bronze-apos-cinco-anos-fora-da-elite-da-modalidade

https://lorena.r7.com/post/Brasil-garante-19-medalhas-e-iguala-feito-historico-em-Olimpiadas

https://lorena.r7.com/post/Brasil-vence-a-Russia-e-avanca-para-semifinal-das-Olimpiadas-de-Toquio

 

Além da prata de Raven Saunders, o pódio se completou com a chinesa Gong Lijao, conquistando a medalha de ouro, e a neozelandesa Valerie Adams, com a medalha de bronze.


Pódio olímpico do arremesso de peso feminino - AP Photo/Francisco Seco

Pódio olímpico do arremesso de peso feminino. (Foto: Reprodução/AP Photo/Francisco Seco)


O Comitê Olímpico Internacional (COI) diminuiu a proibição de protestos antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio, permitiu que os atletas "expressassem suas opiniões" durante coletivas de imprensa, mas manifestações políticas ainda são proibidas durante as premiações. 

A entidade estava avaliando o gesto da americana, porém o COI decidiu por suspender as investigações sobre o protesto de Saunders.

"Realmente acho que minha geração realmente não se importa", disse Saunders. "No fim das contas, realmente não nos importamos. Grito para todos os meus negros. Grito para toda a minha comunidade LGBTQ. Grito para todo o meu povo que lida com saúde mental. No fim das contas, entendemos que isso é maior do que nós e maior do que os poderes constituídos. Entendemos que há tantas pessoas que estão olhando para nós, que estão procurando para ver se dizemos algo ou se falamos por eles.", completa a americana.

A saúde mental dos atletas tem sido o foco da Olimpíada deste ano, depois que a superestrela da ginástica dos Estados Unidos, Simone Biles, desistiu de várias competições para priorizar seu bem-estar. Saunders, que fez sua estreia olímpica no Rio de Janeiro em 2016, descreveu como considerou tirar a própria vida em 2018 enquanto enfrentava problemas de saúde mental.  Sua identidade foi consumida pelo arremesso de peso, disse, e ela se sentiu incapaz de escapar das pressões associadas ao esporte. Saunders buscou, então, ajuda de um ex-terapeuta e afirmou ter sido capaz de estabelecer uma relação mais equilibrada com o esporte, rumo ao sucesso.

"É normal ser forte", disse ela sobre a situação. "E não há problema em não ser forte 100% do tempo. Não há problema em precisar das pessoas."

Antes de seu gesto no pódio, Saunders já havia chamado a atenção dos fãs por seu cabelo verde e roxo. Ela também atraiu olhares por suas máscaras inspiradas nos personagens Hulk, da Marvel Comics, e Coringa, da franquia Batman.

Ela vê Hulk como seu alter ego e como o super-herói ela aprendeu a se conter, liberando poder de uma forma controlada. 


  Raven Saunders, medalhista de prata no arremesso de peso nas Olimpíadas de Tóquio 2020- Ben Stansall/AFP/Getty Images

  Raven Saunders, medalhista de prata no arremesso de peso nas Olimpíadas de Tóquio 2020. (Foto: Reprodução/Ben Stansall/AFP/Getty Images)


O jornal americano Washington Post observou que, após seu evento, ela "foi em direção à zona mista, perguntando onde poderia encontrar champanhe e cantando 'Celebration', música de Beyonce. 

Saunders disse como ela cresceu assistindo às campeãs de tênis negras Venus e Serena Williams, "jovens negras com miçangas no cabelo, sem remorso", e o que essa visibilidade significava para ela. Ela agora espera inspirar outras pessoas por meio de suas próprias realizações e sua honestidade.

 

 

 

(Foto destaque: Medalhista de prata desafiou proibição do Comitê Olímpico Internacional. Reprodução/AP)

Deixe um comentário