Erika Januza conta um pouco sobre seu início de carreira

Publicado 05 de Oct de 2020 às 16:53

Há exatos oito anos, Erika Januza estava chegando ao Rio de Janeiro para ser protagonista de uma série de TV. Na bagagem, a realização de um sonho que mal sabia que tinha, muitas dúvidas, medos e uma timidez que luta até hoje para vencer. Escolhida num teste, a mineira de Contagem sequer imaginava a importância de uma produção cuja protagonista era uma mulher negra. Já que naquela época, ninguém conhecia as palavras empoderamento e representatividade. Mulher bonita para ela era Ana Hickmann, loira, alta, olhos claros. Era o que tinha no cardápio para Erika, que muitas vezes na vida ouviu a frase “Sai daqui, neguinha”.

Atriz contou um pouco sobre seu início de carreira em uma entrevista para o jornal Extra

“Não foi uma, não foram três. Foram várias. Eu era massacrada na escola, a neguinha magrela excluída. Eu não tinha uma referência, alguém para me espelhar. E, de repente, virei uma representante para alguém. Eu não fazia a menor ideia do quanto aquele lugar, naquele papel, era importante para os outros. Só fui entender isso bem mais tarde”, conta Erika.

Leia mais: Maisa não renova contrato com o SBT após 13 anos de casa

Atrás de uma mudança pessoal, a atiz decidiu que não seria mais uma pessoa à espera de uma mágica. A cor da pele, o que lhe tornava um alvo fácil, ela não podia trocar, mas todo o resto, sim. Conheceu a academia e deixou as duas calças jeans que usava e passou a ter músculos. Conheceu o megahair e manteve os cabelos lisos até a cintura. Passou a amar vestidos. Viu que levava jeito para fotografar e decidiu entrar no mundo da moda. “Cismei. Participei de todos os concursos de beleza que apareceram. Passei a gostar de mim, a me sentir bem comigo. Naquela época, minha autoestima era até maior do que a que tinha quando fiz meu primeiro papel”, falou a atriz.


Erika Januza. (Foto: Reprodução/Instagram)


Érika falou sobre seu namoro pouco divulgado

Aos 35 anos, esta já não é uma questão. Aparentemente, Erika superou seus conflitos de aceitação que já a fizeram, por exemplo, implorar para que um ex voltasse. Disso, tirou uma lição: manter o particular cada vez mais longe do público. Namorando Juan Nakamura, de 21 anos, filho da também atriz e bailarina Carol Nakamura, Erika ainda não se sente confortável para expor a relação. “Nunca mencionei nada sobre a gente antes. Não defini isso. É uma coisa minha, nossa. Apesar de ter uma vida pública, de estar nas redes sociais, prefiro deixar pelo menos essa parte de fora, para manter minha privacidade”, explica a atriz.

Sonhos

O mesmo tipo de reação, ela já tinha sentido quando participou da “Dança dos Famosos”, na qual chegou à final. A ofendiam de todas as maneiras possíveis em emails compridos que chegavam logo no dia seguinte a uma apresentação. Erika chorava, se magoava, xingava, e se questionou... O sentimento de inferioridade só foi substituído quando a atriz se apresentou dançando uma valsa, a bordo de um vestido cor-de-rosa. “Me senti uma princesa. A princesa que não existe na infância de uma menina negra. A princesa com um final feliz. A princesa que um dia vai dar uma entrevista em que o racismo não seja mencionado, porque ele não vai mais existir e que seremos todos iguais, indistintamente”, conta Erika Januza.

 

( Foto destaque: Erika Januza. Reprodução/Instagram)

Deixe um comentário