Saúde

EUA: 73% dos novos casos de Covid-19 foram pela Ômicron

O novo plano do presidente Joe Biden prevê o aumento do apoio federal aos hospitais do país, testagem gratuita para Covid-19 e ampliação dos postos de vacinação.

3 min de leitura
21 Dez 2021 - 21h11 | Atualizado em 21 Dez 2021 - 21h11

Novos dados do Centros de Controle e Prevenção de Doenças, Centers for Disease Control and Prevention (CDC) foram apresentados com um aumento de quase seis vezes da Ômicron nas infecções por Covid-19 em apenas uma semana, contabilizando 73% dos novos casos nos últimos dias. O alerta veio com a informação que, agora, a nova variante pode ser considerada a versão dominante nos Estados Unidos, desde o aparecimento de novas mutações da cepa. O CDC é uma agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, fundada em julho de 1946 e sediada na Geórgia, Estados Unidos, adjacente ao campus da Emory University e a leste da cidade de Atlanta.


Presidente Joe Biden. (Foto: Reprodução/Al Drago/Bloomberg/Getty Images)


De acordo com os dados divulgados pelos órgãos americanos, na última semana a taxa nacional sugere que aproximadamente 650 mil infecções por Ômicron foram mapeadas no país. Algumas pesquisas alertam que essa nova variante pode ocasionar sintomas mais leves de Covid-19 quando comparada às outras cepas, entretanto outras investigações estão sendo feitas paralelamente.

Verão: conheça os sucos funcionais que estão em alta (r7.com)

Membros da CTAI-COVID pedem ao Ministério da Saúde regras para imunização de crianças (r7.com)

Marcelo Queiroga pretende decidir em janeiro sobre a vacina em crianças (r7.com)


O presidente Joe Biden fez um comunicado hoje (21) e direcionou parte do discurso aos americanos não vacinados, alertando-os de que eles estão colocando a si mesmos e seus entes queridos em risco. "Se você não está totalmente vacinado, tem um bom motivo para se preocupar", disse o presidente dos Estados Unidos. Ainda em um outro comunicado, a Casa Branca se posicionou dizendo que as vacinas "são as ferramentas mais poderosas que temos — elas funcionam para proteger as pessoas de doenças graves e da morte, e as doses de reforço fornecem proteção ideal às pessoas".

A preocupação é grande devido o país ser o mais afetado do mundo, com mais de 51 milhões de infectados e 807 mil mortes por Covid-19 desde o início da pandemia.

 

Foto Destaque: Fila de pessoas para realizar testes em Nova Iorque. Reprodução/Andrew Kelly/Reuters.

Deixe um comentário