Bem Estar

ANS afirma que reclamações contra planos de saúde aumentaram durante a pandemia

Aumento de preço e reembolso são apenas duas das inúmeras reclamações sobre os planos de saúde durante a pandemia. Índice de pessoas buscando a portabilidade por melhores preços também cresceu.

3 min de leitura
02 Set 2021 - 20h36 | Atulizado em 02 Set 2021 - 20h36

A ANS (Agência Nacional de Saúde) afirma que as reclamações contra planos de saúde aumentaram em 66% durante a pandemia de covid-19, os dados são referentes ao período do primeiro semestre de 2019 até junho de 2021. No Brasil, aproximadamente 50 milhões de pessoas utilizam planos de saúde e grande parte desses usuários não estão contentes com as operadoras. Em primeiro lugar no ranking de reclamações da ANS, estão as queixas por falta de autorização para determinadas intervenções cirúrgicas. Já em segundo lugar, estão as queixas relacionadas ao reembolso: Aproximadamente 10 mil queixas somente no primeiro semestre de 2021.

Tendência entre crianças e jovens, Pop It ajuda a aliviar o estresse

SpiN-TEC: Vacina brasileira contra a covid-19 em 2022

Ministério da Saúde prevê aumento de internações devido à covid em setembro

Além destes problemas, também há o alto preço das mensalidades dos planos de saúde. Em recente relatório da ANS, revela que no primeiro semestre de 2021, o índice de consultas para possível troca de planos de saúde cresceu para 42%, ou seja, 206 mil pessoas, no que se refere ao mesmo período de 2020. Para Paulo Rebello, diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde, o interesse dos consumidores pela portabilidade é positivo. Em contrapartida, o valor da mensalidade individual teve uma redução de preço, o conhecido reajuste negativo.


        

                      Logotipo das empresas de planos de saúde. (Foto: Reprodução/ RioSaude)


Recentemente, ocorreu uma polêmica em torno dos planos de saúde, que foi a necessidade de autorização do esposo para a mulher casada colocar o método contraceptivo DIU. Fernando Capez, diretor executivo do Procon-SP exigiu explicações das empresas e afirmou que: “A prática é abusiva, ilegal, descabida e afrontosa à condição e dignidade da mulher. Nós estamos notificando essas empresas para saber quais fazem essa imposição absurda”. Entre as empresas de planos de saúde que foram punidas pelo Procon-SP, estão: Bradesco Saúde, Sul América, Unimed Seguros, Amil, Vison Med – Golden Cross, dentre outros.

 

 

 

Pirâmide em blocos com desenhos de itens utilizados pela medicina. (Foto Destaque: Reprodução/ Getty Images)

Deixe um comentário