Videogames podem fazer bem para saúde

Publicado 04 de Dec de 2020 às 14:24

Com o lançamento recente do Playstation 5 pela empresa multinacional japonesa Sony, muitos pais ficaram preocupados com a ascensão dos aparelhos eletrônicos nas casas das famílias brasileiras. Muitos creem que os videogames são maléficos para a saúde da criança e do adolescente. Alguns pais restringem o uso dos games com horários marcados ou limite de tempo dado aos filhos. Mas afinal, jogar videogames faz mal?

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Oxford afirmaram que jogar videogame pode fazer bem. Isso mesmo! Baseado nos jogos Animal Crossing da Nintendo e Plants vs. Zombies da Eletronic Arts, os pesquisadores defenderam o uso dos videogames para todo tipo de idade.

Contradizendo o estudo, desde 2018 a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificava o vício em videogames como uma doença psicológica; um distúrbio. A doença era classificada à lista de doenças modernas, com o termo oficial de “gaming desorder”, uma tradução livre para “transtorno de games”. O vício em games está ao lado de comportamentos como o alcoolismo e o vício em apostas.

Leia mais: Algumas práticas que melhoram o bom humor 


videogames, games, plastationIndependente da idade, os videogames tem ganho espaço nas casas dos brasileiros (Foto: Reprodução/Pexels)


O Brasil tem aproximadamente cerca de 73,4% da população ligada aos games, independentemente da plataforma, segundo Pesquisa Game Brasil (PGB). A pesquisa mostra que a maioria se encontra na faixa etária de 25 a 34 anos, seguido por jovens de 16 a 24 anos. As mulheres são maioria entre os gamers.

Os pesquisadores de Oxford afirmam que “Ao contrário dos temores generalizados de que muito tempo gasto jogando videogame pode gerar vício e prejudique a saúde mental, encontramos uma pequena correlação entre jogos e bem-estar”. Os resultados da pesquisa abordam a ideia de que jogos, especialmente online, oferecem uma alternativa satisfatória aos encontros frente a frente nesse momento de pandemia.

Além disso, pessoas que passaram mais de, em média, quatro horas por dia jogando “Animal Crossing”, um jogo totalmente colorido simulando desenhos animados, afirmaram estar mais felizes. Matti Vuorre, um dos tutores da pesquisa, ainda acrescenta que tal estudo pode ser uma forma de reavaliar com outra perspectiva um atual preconceito que se tem pelos videogames.

Notadamente, nesse período de pandemia, os videogames e os jogos online tornaram-se o meio para lazer e descontração. Nada como um bom game para passar o tempo!

 

(Foto destaque: Super Mario Bros. Um dos jogos mais aclamados de todas gerações. Foto: Reprodução/Pixabay)

Deixe um comentário