Saúde e Bem Estar

Uso excessivo de smartphones prejudicam o sono e a produtividade

O uso em excesso de smartphones pode gerar dependência do aparelho e acarretar problemas de saúde físicos e mentais, como a ansiedade e transtorno de pânico, por exemplo. O vício em smartphones e demais telas como tablets e computadores, é chamado d

3 min de leitura
03 Ago 2021 - 20h50 | Atulizado em 03 Ago 2021 - 20h50

Em plena revolução digital, o uso em excesso de smartphones e demais telas prejudicam a saúde mental, a produtividade e a qualidade do sono. Em um estudo feito em outubro de 2018 pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, foi divulgado que os brasileiros ficam em média nove horas por dia conectados à internet. O vício em smartphones também é conhecido como nomofobia. A nomofobia pode provocar sintomas físicos como: dores na coluna, privação do sono e problemas de visão, além de sintomas psicológicos como a depressão, ansiedade e angústia.

Para a diretora de projetos do Instituto Tecnologia e Sociedade do Rio (ITS RIO), Celina Bottino, esta é uma tendência global. “Hoje, 39% da população mundial usam smartphones para acessar a internet”, afirma Celina. O Brasil é o terceiro país onde a população mais utiliza a internet, com nove horas e 14 minutos por dia, ficando atrás apenas da Tailândia e Filipinas, com nove horas e 38 minutos e nove horas e 24 minutos respectivamente.


 

(Mãos "presas" à um smartphone. Foto: Reprodução/ Pixabay)


Com a chegada da pandemia de covid-19, muitas crianças começaram a passar mais tempo em frente às telas e isso muitas vezes causam vícios e problemas de saúde. Para os especialistas, crianças viciadas em smartphones, tablets e demais telas correm o risco de adquirir problemas futuros como: transtorno de pânico e ansiedade. Os aplicativos mais utilizados pelos brasileiros são os ligados à redes sociais, como o WhatsApp, Facebook, Instagram e TikTok. Ao site Vox, a escritora Catherine Price disse que “as redes sociais são como máquinas caça-níqueis. As mais viciantes já criadas”.

Como os alimentos processados podem ser altamente prejudiciais à saúde

Olimpíadas: A verdadeira pedra no sapato

Dr. Sandro Ferraz: Nutrólogo que emagreceu mais de 2,5 mil pessoas e mentor de médicos empreendedores 

 

Se você, caro leitor, é viciado em smartphone ou conhece alguém assim, os especialistas apontam alguns cuidados que devem ser tomados, como: Determinar limites, ou seja, desligar-se do aparelho em alguns momentos do dia e realizar outras atividades fora das telas. Passar um tempo sem mexer em smartphones antes de dormir e um tempo após acordar, também ajuda na qualidade do sono e na produtividade no dia seguinte. Outro conselho recomendado por especialistas é o chamado detox digital, que consiste em passar um dia inteiro sem mexer em aparelhos tecnológicos. Inicialmente, o tempo longe das telas pode ir aumentando gradativamente até conseguir ficar fora delas por um dia inteiro. A prática serve para melhorar a produtividade no dia a dia e ajuda a saúde mental.

 

 

 

(Foto Destaque: Reprodução/ Pixabay)

Deixe um comentário