Bem Estar

Princípio ativo do Viagra pode ser utilizado na prevenção ao Alzheimer

Nesta segunda-feira (6) a revista Nature Aging divulgou conclusões de um estudo sobre a influência da substância que faz parte do princípio ativo do Viagra no tratamento e prevenção ao Alzheimer.

3 min de leitura
06 Dez 2021 - 19h14 | Atualizado em 06 Dez 2021 - 19h14

Um grupo de pesquisadores encontrou a possibilidade de tratar e prevenir o Alzheimer através de um medicamento mundialmente conhecido como Viagra. Os estudos mostram que o princípio ativo do sildenafil, utilizado no tratamento da disfunção erétil e hipertensão pulmonar, foi eficiente contra a doença.


Dois idosos interagindo (Foto: Reprodução/Bigstock)


 

Segundo dados da Alzheimer's Association, no Brasil, mais de 1 milhão de pessoas vivem com alguma forma de demência. Em todo o mundo, ao menos 44 milhões de pessoas vivem com demência, tornando a doença uma crise global de saúde que deve ser resolvida. O instituto configura a principal organização mundial de saúde voluntária para cuidado, suporte e pesquisa da doença de Alzheimer.

O diagnóstico de Alzheimer pode modificar  a vida da pessoa que carrega a doença, além de afetar diretamente o cotidiano dos seus familiares e amigos próximos, mas na atualidade há informações e suporte disponíveis de fácil acesso. As pessoas precisam entender que não é necessário encarar a doença de Alzheimer ou qualquer outra demência sozinhas.

Anvisa quer confirmações sobre o êxito das vacinas contra a Ômicron (r7.com)

Entenda o avanço da terapia com células-tronco contra a diabetes tipo 1 (r7.com)

Prescrições divergentes para a dose de reforço da vacina da Jansen (r7.com)


 

Nesta segunda-feira (6) a revista Nature Aging divulgou um estudo que mostra uma redução de 69% na incidência da doença de Alzheimer. No estudo foram analisadas diversas histórias de mais de sete milhões de pessoas. Os estudos foram realizados  pelo Instituto de Medicina Genômica da Clínica de Cleveland, nos Estados Unidos.

"Estudos recentes indicam que a interação entre amilóide (proteínas) e tal contribui mais para o Alzheimer do que qualquer um dos dois isoladamente", disse Feixiong Cheng, principal autor do artigo publicado na "Nature Aging".

A equipe realizou a pesquisa baseando-se na possibilidade de encontrar substâncias favoráveis nos mais de 1.600 medicamentos aprovados pelas autoridades de saúde americanas.

O Alzheimer ainda não possui procedimentos de prevenção, mas especialistas acreditam que ter uma vida social ativa e estar sempre com bons pensamentos, além de exercitar a mente pode ajudar a inibir a doença.

Ler, estudar matemática, praticar jogos de cognição, realizar atividades em grupo , se alimentar bem,  não beber e não fumar, podem ajudar muito o não aparecimento da doença.

 

(Foto Destaque: Mãos de idosos. Reprodução/Jasmin Merdan/Getty Images)

Deixe um comentário