Bem Estar

Poluição do ar pode causar problemas de fertilidade, segundo pesquisadores

Pesquisadores divulgam estudo que liga a inalação de ar poluído com problemas de fertilidade masculina. Segundo eles, ocorre uma diminuição significativa da quantidade de esperma.

3 min de leitura
04 Nov 2021 - 13h23 | Atulizado em 04 Nov 2021 - 13h23

Não é novidade que o ar poluído é extremamente prejudicial para a saúde. São mais de 8 milhões de pessoas que morrem, por ano, em decorrência da inalação de ar poluído, que intensifica problemas respiratórios como doenças coronárias, AVC e o câncer de pulmão.

Além desses problemas já conhecidos, uma pesquisa feita na Escola de Medicina da Universidade de Maryland, localizada nos Estados Unidos, apresentou dados que ligam a influência da respiração de ar poluído na fertilidade masculina.

O estudo foi publicado na revista Environmental Health Perspectives, mostrando que a inflamação causada pela inalação de ar poluído que age em um tipo específico de neurônio que é, por sua vez, ligado à obesidade e ao ciclo do sono faz com que aconteça uma redução no número de espermatozoides.


Foto: Cientista analisando elementos. (reprodução/ pexels)


A pesquisa foi feita com grupos de ratos saudáveis e ratos geneticamente modificados, uma vez que eles removeram os neurônios com um marcador de inflamação no cérebro. Ambos foram expostos tanto ao ar poluído quanto o filtrado. A conclusão foi que, ao entrar em contato com a poluição, os geneticamente modificados não tiveram uma diminuição na quantidade de espermatozoides e, em contrapartida, os saudáveis apresentaram uma redução.

Os pesquisadores chegaram à conclusão de que os neurônios associados ao ciclo do sono e à obesidade estavam, por sua vez, agindo ativamente na redução de espermatozoides em decorrência da poluição do ar.

Os autores do estudo afirmaram que é possível remediar o efeito da poluição do ar na quantidade dos espermas. Segundo eles, isso seria possível através da remoção de um marcador de inflamação específico do cérebro dos ratos.

https://lorena.r7.com/post/Vitta-lanca-o-primeiro-servico-de-hospital-digital-com-16-especialidades-diferentes

https://lorena.r7.com/post/China-luta-contra-um-novo-surto-da-covid-19-e-comeca-a-tomar-medidas-mais-severas

 

https://lorena.r7.com/post/Ultima-fase-do-passaporte-da-vacina-comecara-dia-15-no-RJ

 

Na medicina em geral, muitas descobertas começam nos estudos animais. É claro que até isso se converter em resultados em humanos, demora um tempo. O ideal seria evitar a poluição, mas como não conseguimos, é preciso encontrar formas de evitar seu efeito deletério”, comenta Matheus Roque, especialista em reprodução humana da clínica Mater Prime.

Apesar da novidade, a influência do cérebro nos órgãos reprodutivos não é nem um pouco nova, uma vez que o estresse emocional afeta, por exemplo, perda de períodos menstruais nas mulheres.

Foto destaque: Cidade poluída. (Reprodução/ pixabay)

Deixe um comentário