Bem Estar

Obesidade infantil: como criar hábitos saudáveis para prevenir e como identificá-la

Com o aumento da compreensão sobre os impactos na saúde causados pelo excesso de gordura no corpo, a obesidade infantil vem se tornando mais preocupante com aumentos de casos.

3 min de leitura
19 Nov 2021 - 13h07 | Atulizado em 19 Nov 2021 - 13h07

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a obesidade infantil está entre um dos problemas de saúde mais graves deste século. Em uma pesquisa feita pelo Ministério da Saúde, em 2020, relata-se que “15,9% dos menores de 5 anos e 31,8% das crianças entre 5 e 9 anos tinham excesso de peso. Destas, 7,4% e 15,8% apresentavam obesidade, respectivamente”. Dados que podem piorar, caso nada seja feito, pois nesse ritmo o país pode chegar à 5ª posição no ranking da obesidade infantil no ano de 2030.

 

Ao contrário do que muitos pensam, a obesidade na infância não é só algo genético, ela se encaixa como uma doença multifatorial. Em sua maioria, é uma consequência de maus hábitos, principalmente os alimentares. Além do mais, muitas crianças, infelizmente, não têm acesso a alimentos mais saudáveis e se tornam vítimas mais fáceis. Estresse, sono precário, aumento de tela são outros fatores que agravam e aumentam a massa corporal. 

 

https://lorena.r7.com/post/Saiba-mais-sobre-o-que-sao-criancas-superdotadas

https://lorena.r7.com/post/Cientistas-identificam-ligacao-entre-consumo-de-peixe-e-diminuicao-no-risco-de-doencas-cerebrovasculares

https://lorena.r7.com/post/Pediatras-defendem-vacinacao-de-criancas-contra-a-Covid


Pesquisas revelam que, mesmo a obesidade sendo diagnosticada antes dos cinco anos de idade, as chances de um tratamento eficiente são de apenas 10%. Para dificultar as possibilidades de melhorias, essa porcentagem é reduzida a cada ano, o que proporciona, futuramente, adultos com alterações no colesterol, hipertensão e, sobretudo, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares. Inclusive, até mesmo na infância, o indivíduo pode desenvolver distúrbios psicológicos, como depressão, bulimia e compulsão alimentar.



Pessoas em atividade física. (Foto: Reprodução/mentatdgt/Pexels)


Nesse caso, de acordo com especialistas em nutrição, se necessário, a única solução plausível seria o uso de medicamentos e acompanhamento profissional que iria melhor auxiliá-los. Para prevenir, o cuidado deve começar desde a primeira infância. Os pais ou responsáveis devem oferecer alimentos mais saudáveis desde cedo para a criança, ingerindo frutas e vegetais. Em paralelo, atividades físicas devem ser sempre efetuadas. A medicina de prevenção é a melhor técnica para certificar que uma pessoa tenha um crescimento saudável e que, em sua fase adulta, não se tornem vítimas dessa doença.

 

Foto destaque: Pés em balança. Reprodução/Ketut Subiyanto/Pexels

Deixe um comentário