Tech

PrevisIA: Microsoft lança tecnologia capaz de prever incêndios e desmatamento na Amazônia

Microsoft lança ferramenta de Inteligência Artificial capaz de antecipar desmatamento e queimadas na Amazônia. O Objetivo é lançar mão de medidas preventivas, não punitivas.

3 min de leitura
09 Ago 2021 - 17h58 | Atulizado em 09 Ago 2021 - 17h58

Após quase um ano de preparação, a Microsoft, em parceria com a Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) e o Fundo Vale, lançou um sistema de inteligência artificial (PrevisIA) capaz de antecipar áreas que podem ser queimadas ou desmatadas na Amazônia durante a estação de seca, e assim evitar esse processo.

Segundo o pesquisador associado e coordenador do Programa de Monitoramento da Amazônia do Imazon, Carlos Souza Jr, o que se quer é “uma mudança de paradigma, trocar a lógica: olhar para a frente, prevenir e evitar o desmatamento, e promover uma intervenção preventiva, e não punitiva.”

Com a coleta de vários dados, como os de estradas legais e ilegais em imagens de satélite, topografia, cobertura do solo em territórios municipais, quantidade de vegetação nativa, áreas já queimadas, entre outros, será possível a construção de modelos que possibilitem prever onde uma nova área poderá ser abatida, bem como informar órgãos públicos para realizarem ações de prevenção e de combate. Os alertas gerados pela plataforma também são abertos ao público em um painel de controle da iniciativa.


Painel PrevisIAPainel PrevisIA. Foto: Reprodução/Microsoft


Estradas não oficiais são um dos principais vetores de desmatamento, de acordo com o pesquisador do Imazon. Carlos explica que foi possível mapeá-las por imagem de satélite e observou que elas estavam sempre presentes e apareciam antes do desmatamento.

Ele comenta ainda que “a inteligência artificial pode reconhecer linhas que cortam a floresta”. Usou-se base de dados de estrada para treinar o algoritmo, que consegue detectar essas linhas; assim, é possível automatizar esse processo de mapeamento de estradas, o que antes era feito apenas manualmente.

O próximo passo, a partir da coleta de dados e do monitoramento anual objetivando comparar o avanço das perdas é pensar em estratégias para prevenção e controle, já que 85% das queimadas e 95% do desmatamento acumulado acontecem a uma distância de até cinco quilômetros de todas as estradas.


Empresas do ramo óptico se reinventam fazendo uso da tecnologia, após fecharem as portas das lojas físicas devido à pandemia

Apple aposta em parceiros chineses para fabricar os iPhones mais recentes

Diretor de inovação da empresa Multiplan, uma das maiores na indústria de shoppings centers do país, cria marketplace de artes em formato digital


O mapa de risco oferecido pela plataforma PrevisIA aponta que 9.635 km2 da floresta amazônica estarão vulneráveis ao desmatamento ou a incêndios em março de 2022, o que representa 29% de toda a Amazônia Legal e abrange municípios, unidades de conservação e terras indígenas, além de comunidades quilombolas e assentamentos rurais.

Com esses dados alarmantes, Carlos faz um apelo: “não podemos depender apenas de governo. precisamos da iniciativa privada, terceiro setor.” Ele ainda revelou que os dados gerados serão cruzados com o Cadastro Ambiental Rural (CAR), licenciamento ambiental, área de reserva legal, entre outros, para deixar mais claro o que tem sido feito de errado, e por quem, na Amazônia.

 

(Foto destaque: incêndio na Amazônia. Reprodução/Bruno Kelly/Reuters)

Deixe um comentário