Tech

Diretor de inovação da empresa Multiplan, uma das maiores na indústria de shoppings centers do país, cria marketplace de artes em formato digital

Novo marketplace (TROPIX) possibilita a compra de obras de arte em formato digital e já faturou milhões ;o objetivo é valorizar artistas brasileiros e galerias de arte.

3 min de leitura
06 Ago 2021 - 17h00 | Atulizado em 06 Ago 2021 - 17h00

Tropix é o nome da nova plataforma marketplace de criptoartes, idealizada em parceria com o mercado bitcoin, e é também autenticadora de NFT'S (selo único para identificação e venda de objetos virtuais).


(Foto: pixabay/Reprodução)


A tecnologia tem proporcionado desenvolvimento em diversos âmbitos, inclusive no mercado cultural e artístico, onde existe um novo conceito de arte: a criptoarte - arte em formato digital - que tem rendido milhões de doláres. A criptoarte passou a repercurtir após o coletivo artístico Unique One queimar um rascunho de Picasso para eternizá-lo no blockchain e leiloar seu selo NFT.

https://lorena.r7.com/post/Bitcoin-podera-ganhar-uma-super-alta-mas-ainda-sera-superado-diz-especialista

https://lorena.r7.com/post/Brasileiro-Brunno-Di-Olive-na-lista-da-nova-geracao-de-CEOs-e-Milionarios-Under-30

https://lorena.r7.com/post/Com-inovacoes-ousadas-construtora-mineira-encara-gigantes-em-Sao-Paulo

A Tropix foi criada por Daniel Peres Chor, líder e herdeiro da empresa Mulptiplan com outros nomes do mercado digital, como Bernardo Schuman, que é cientista de dados e foi participante também na criação do Google Meeting, Guilherme Nigri, que é especialista em marketing digital e tem várias startups lançadas. O negócio conta também com investidores e consultores, como Alexandre Icaza, que é dificador de startups, e Marcelo Sampaio, fundador da Hashdex, gestora carioca que foi a primeira do mundo a lançar um fundo de investimentos de cripto na Nasdaq.

Para Daniel e seus sócios, o NFT representará o registro de posse do futuro, de carros, imóveis, etc. Peres afirma que a cripto marketplace irá ajudar a remunerar os artistas e as galerias, garantindo que recebam o lucro obtido a cada venda no mercado secundário pois, através do blockchain (livro contábil de registro de transações digitais), tudo ficará registrado. Inclusive, a primeira obra 100% digital lançada na Tropix é de um artista brasileiro, Vini Naso, que já foi premiado internacionalmente no Beautiful Bizarre Art Prize de 2020 e é criador de experiências em parceria com Microsoft, Facebook, Zoom, Nike, entre outras empresas.

Ele acrescenta que obras de artistas brasileiros e parcerias com galerias importantes como Leme, Metaspark, Wickbold, Verve e Zipper estão previstas para serem lançadas ainda esse ano, pois é um dos maiores objetivos do empreendimento: empoderá-los.

(Foto destaque: Tropix/Reprodução)

 

Deixe um comentário