Saúde

Passaporte vacinal no brasil deixa de ser exigido e confunde viajantes

Na contramão de outros países que exige comprovante vacinal para quem chega ao país no brasil é adotado medidas de quarentena para viajantes não vacinadas contra covid.

3 min de leitura
21 Dez 2021 - 16h30 | Atualizado em 21 Dez 2021 - 16h30

Com a  negativa do governo federal em adotar o passaporte de vacinação contra a covid-19 para a entrada de viajantes no Brasil uma grande confusão e cria mal-estar  é  causada com estados e também com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que no sábado, em 12 de novembro, recomendou a imposição do documento.

Ao não publicar uma portaria para estabelecer a nova regra para quem desembarcar no país sem um comprovante vacinal,e submetendo o turista a uma quarentena de cinco dias,o teste de covid ainda sendo exigido, porém o governo deixa em aberto como fará essa fiscalização. As regras valem para brasileiros e estrangeiros que entrarem no pais por via aérea que antes precisavam  apenas de uma Declaração de Saúde do Viajante (DSV), preenchida no através site da Anvisa, e um exame RT-PCR negativo realizado até 72 horas antes do embarque. Publicada pela Casa Civil na edição do diário oficial da ultima quinta-feira(9) e se aplicam pra todos maiores de 18 anos.


Documentos exigidos dentro de suas fronteiras/reprodução:correio braziliense


Novas medidas adotadas para entrada no país são:

Comprovante de vacinação aprovadas pela Anvisa e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ou aquelas autorizadas pelo pais do viajante vacinado com última dose ou de dose única com nenos de 14 dias do embarque.

Resultado negativo de teste de antígeno ou PCR com prazos de 24 á 72 horas. Declaração de Saúde do Viajante (DSV) preenchida em 24h antes do embarque "As pessoas não podem ser discriminadas entre vacinadas e não vacinadas. É por isso que a portaria estabelece alternativas pra quem livremente optou por não aderir a uma política ou outra que é ofertada pelo SUS", disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

"No modal aéreo, onde há grande sensibilidade, a vacina passa a ser o principal instrumento. Para o viajante, é muito mais prático, mais barato e duradouro portar o certificado de vacina. Do contrário, dependerá de quarentena e teste, submissão a eventual fiscalização do estado, risco de adoecimento, um verdadeiro ônus para o viajante", afirmou ainda. Ao final da quarentena de 5 dias será necessário fazer um novo teste de antígeno ou PCR, se o resultado apresentado for negativo ou não detectável, a pessoa fica liberada da quarentena.

 

https://lorena.r7.com/post/Marcelo-Queiroga-pretende-decidir-em-janeiro-sobre-a-vacina-em-criancas

https://lorena.r7.com/post/Anvisa-autoriza-Pfizer-a-vacinar-criancas-a-partir-de-5-anos

https://lorena.r7.com/post/Saiba-como-diferenciar-Influenza-e-Covid-19

Para viajantes terrestes ou outras fronteiras,deverá ser apresentado o comprovante de vacinação completa feita no mínimo 14 dias antes da entrada no país ou teste RT-PCR negativo feito 72 horas antes da entrada no Brasil ou teste negativo de antígeno realizado 24 horas antes da entrada.

 

Foto em destaque: passaporte vacinal para viajantes.Reprodução:Gazeta do povo

Deixe um comentário