Padre Robson de Oliveira responde por cinco crimes cometidos

Publicado 23 de Feb de 2021 às 15:31

O sacerdote da Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade - Goiás, está sendo investigado desde agosto de 2020, por Apropriação indébita; Falsificação de documentos; Organização criminosa; Lavagem de dinheiro e Sonegação fiscal.

 

 


Neste domingo (21) o “Fantástico” mostrou em uma reportagem sobre os crimes cometidos pelo Padre Robson de Oliveira, da Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade - Goiás.

A investigação está sendo feita desde Agosto do ano passado (2020), no mesmo período que os áudios foram apreendidos.

Os áudios são possíveis de identificar que são do sacerdote, pois durante as investigações eles passaram por uma perícia técnica. 


https://lorena.r7.com/post/Raul-Gazolla-relembra-os-quatros-infartos-que-sofreu-e-conta-historia-de-superacao-Quase-morri-no-aeroporto

 

https://lorena.r7.com/post/Cantor-Belo-e-solto-apos-Habeas-Corpus-ser-aceito

 

https://lorena.r7.com/post/Kim-Kardashian-pede-divorcio-do-rapper-Kanye-West

 


Em um desses áudios é possível identificar o sacerdote dizendo “Se você pudesse matar ele pra mim, eu achava uma benção.”

De acordo com o Ministério Público de Goiás (MP-GO) o Padre Robson de Oliveira cometeu 5 crimes, sendo eles: Apropriação indébita; Falsificação de documentos; Organização criminosa; Lavagem de dinheiro e Sonegação fiscal.

 

A Cidade é adorada por católicos e chega a receber pela AFIPE (Associação Filhos do Pai Eterno) 20 milhões por mês que chegam de todo Brasil.

A AFIPE foi criada em 2004 pelo reitor Robson de Oliveira, a fim de reunir o maior número de fiéis católicos e devotos, de acordo com o site da própria associação o objetivo era proporcionar auxílio na vivência da fé e propagar a devoção ao Divino Pai Eterno''.

Também diz que todas as doações que são recebidas são direcionadas para evangelização por meio da TV e para Obras Sociais. 

 

Segundo os investigadores cerca de 2 bilhões de reais foram movimentados em 10 anos, além disso, aquisição de fazendas (uma delas no valor de R$6 milhões, em Abadiânia - GO), avião e uma casa de praia (no valor de R$3 milhões, em Guarajuba - BA). Todas essas aquisições aconteceram devido a lavagem de dinheiro de doações feitas por fiéis e empresas.

Em  outubro, o tribunal de justiça de Goiás decidiu trancar a investigação. No entanto, o Secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, diz que há motivos para que as investigações sejam retomadas. Nas novas mensagens apresentadas no “Fantástico”, foi identificado novos delitos cometidos pelo sacerdote. 


Sacerdote Robson de Oliveira, da Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade - Goiás - (Foto: Reprodução/Instagram)


O Padre passou por duas extorsões, e a partir daí começou a lavagem de dinheiro e crimes cometidos. Segundo investigadores, o padre tinha um relacionamento amoroso com Talitta de Martino, até então esposa de Tayrone Martino, ambos faziam parte da AFIPE (Talitta ainda faz parte, porém Tayrone não). A chantagem feita por Tayrone Martino ocorreu justamente pelo relacionamento entre o padre e Talitta. 

 

Foi feito um contrato entre Talitta e Tayrone que dizia o seguinte: “CONTRATANTE pagará a este, em moeda corrente do país, o valor total de R$350.000,00 (trezentos e cinquenta mil reais)” para que Tayrone escrevesse a biografia do Padre.

 

Em áudio para Talitta o padre fala sobre o contrato, “você acha que eu ia dar 350 mil reais pra ele por um serviçinho daquele de biografia da minha vida? Aquilo foi extorsão, Talitta. Extorsão pura".

 

Outra extorsão foi em 2017, quando o sacerdote teve seu computador hackeado com material que poderia o comprometer. Robson foi à delegacia para prestar queixa e os policiais prenderam o hacker, porém com a posse do material os próprios policiais passaram a extorqui-lo.

 

O material chegou a uma jornalista e a mesma contou para seu marido Ubiracimar dos Santos, conhecido como “O Bira” e logo ele quis fazer parte do esquema. 

Diante da situação, o próprio Robson de Oliveira tenta resolver essa situação. O padre que é amigo desde 2009 da delegada Renata Vieira da Silva, que estava à frente da investigação, conversou como seria resolvido.

 

O padre fala para a delegada: “Eu vou tentar usar dos meios que eu conheço pra persuadi-lo a me dizer realmente se o que ele tem é algo interessante. Eu vou levar um policial e uma pessoa armada, para me proteger. A gente vai fazer isso tudo fora do padrão legal. Nós vamos dar um chega nesse caboclo lá, mas vai ser na base do faroeste caboclo”

 

Apesar de brincar, ele pede uma ajuda a delegada, “é um caso extremo, né? Se for preciso criar uma história em cima disso aí , você tá junto comigo. Você me libera dessa situação, se acontecer o extremo ali.” diz Robson. 

 

A delegada e o padre conversaram após essa situação e ficou acordado dela fazer alterações no depoimento dado por Robson. Segundo as investigações, em troca disso ela ganhou o contrato para venda de Fragrâncias Aromatizantes na Igreja de Trindade. 


Robson de Oliveira, padre e reitor da AFIPE - (Foto: Reprodução/Instagram)

 


Nesta sexta-feira (19) a delegada foi afastada da investigação pela polícia civil de Goiás; a Delegacia de Trindade está em intervenção.    

Todo o material que deu início às extorsões desapareceu, sem deixar nenhum vestígio do que se tratava.  Segundo o "Fantástico", os investigadores sabem que o padre chegou a pagar 2 milhões ao hacker, dinheiro esse que foi retirado da AFIPE. Esse dinheiro foi o que desencadeou a investigação para saber de onde vinha e para onde iria esse dinheiro. Com isso foi descoberto todos os crimes dos quais foram citados anteriormente.  

 

“Nos parece até um grau de subordinação dessa delegada para o padre. É ela trabalhando pra ele, e obtendo favores dele por conta disso”, disse Rodney Miranda, Secretário de Segurança Pública de Goiás em entrevista do “Fantástico”.

 

Em nota, a defesa do Padre Robson diz não reconhecer os conteúdos das mensagens e diz que é uma montagem feita por pessoas inescrupulosas que extorquiam o padre há anos.

O Padre diz estar sofrendo perseguição de políticos e pede para que o deixe seguir com a sua vida religiosa e que pare de ser vitimado por injustas e falsas acusações.

 

Segundo as investigações do Ministério Público de Goiás, o envolvimento de Robson resultou em R$120 milhões desviados. Segundo o jornal "Gazeto do Povo" , Robson se afastou da presidência da Associação Pai Eterno e Perpétuo Socorro (Afipe) e também da Basílica do Divino Pai Eterno.

 

Foto Destaque: Padre Robson de Oliveira da Basílica do Divino Pai Eterno - (Foto: Reprodução/Santuário do Divino Pai Eterno)

Deixe um comentário