Notícias

Nike dá uma semana de folga aos funcionários para cuidarem da saúde mental

A sede da empresa em Oregon, nos Estados Unidos, anunciou que dará um intervalo de uma semana nas atividades coorporativas para os empregados trabalharem o psicológico

3 min de leitura
01 Set 2021 - 17h10 | Atulizado em 01 Set 2021 - 17h10

Visando reabilitar alguns dos colaboradores que tiveram suas faculdades desestabilizadas pela pandemia, a empresa de roupas, calçados e acessórios Nike, decidiu fechar os escritórios por um período para inspirar seus funcionários a buscarem meios de equilibrar a saúde mental com a produtividade, antes de regressarem ao trabalho na próxima semana com um quadro de horários flexível, com a possibilidade de atuar de forma remota por dois dias da semana.

A mensagem foi transmitida pelo gerente sênior da Nike, Matt Marrazzo, através de seu perfil no LinkedIn onde declarou que “Em um ano (ou dois) diferente de qualquer outro, reservar um tempo para descansar e se recuperar é a chave para um bom desempenho e manter a sanidade. O ano passado foi difícil - somos todos humanos! E vivendo um evento traumático! - mas eu tenho esperança de que a empatia e graça que continuamos a mostrar aos nossos companheiros de equipe terá um impacto positivo na cultura de trabalho daqui para frente.”


Nike dá folga de uma semana antes de retomar as atividades presenciais no escritório da empresa, em Oregon. (Foto: Reprodução/VCG /Getty Images)

Nike dá folga de uma semana antes de retomar as atividades presenciais no escritório da empresa em Oregon. (Foto: Reprodução/VCG/Getty Images)


Todavia, há funcionários insatisfeitos com a ordem, que se limita apenas a equipe que atua nos escritórios corporativos da empresa, ignorando os trabalhadores das lojas de varejo da Nike, que não terão direto a semana de folga remunerada.

Leia mais: Comércio de livros digitais cresce durante a pandemia

Leia mais: Saúde mental dos estudantes apresenta instabilidade em levantamentos

Leia mais: “Tem que todo mundo comprar fuzil”, recomenda presidente Jair Bolsonaro

Elizabeth Tippett, uma professora associada da Escola de Direito da Universidade de Oregon, disse ao The Oregonian que “Se é o caso que espera-se que os trabalhadores de meio período em uma loja de varejo venham trabalhar, enquanto os escritórios da sede não, isso também envia uma mensagem sobre com que tipo de trabalhador eles se preocupam e estão dispostos a investir”.

 

Foto destaque: Nike House of Innovation. Reprodução/Qilai Shen/Bloomberg.

Deixe um comentário