Notícias

“Tem que todo mundo comprar fuzil”, recomenda presidente Jair Bolsonaro

Nesta sexta (27), o presidente Jair Bolsonaro incitou o uso de armas de fogo em uma transmissão ao vivo

3 min de leitura
27 Ago 2021 - 22h00 | Atulizado em 27 Ago 2021 - 22h00

No decorrer de uma conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, nesta sexta (27), o presidente Jair Bolsonaro declarou que “Tem que todo mundo comprar fuzil” e deixou subtendido que a compra de alimentos não deveria ser prioridade para a população brasileira.

Ao responder o questionamento de um adepto ao seu governo, sobre quais seriam as novidades para o CAC, grupo de os caçadores, atiradores e colecionadores, Bolsonaro afirmou que "O CAC está podendo comprar fuzil. O CAC que é fazendeiro compra fuzil 762. Tem que todo mundo comprar fuzil, pô. Povo armado jamais será escravizado. Eu sei que custa caro. Tem um idiota: 'Ah, tem que comprar é feijão'. Cara, se não quer comprar fuzil, não enche o saco de quem quer comprar."


Presidente durante a transmissão ao vivo. (Foto: Reprodução/Youtube Jair Bolsonaro)

Presidente durante a transmissão ao vivo. (Foto: Reprodução/Youtube Jair Bolsonaro)


Conforme um levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, publicado no dia 15 de julho, o aumento de homicídios em 2020 resultou em 50.033 notificações de assassinatos, equivalente a uma morte a cada dez minutos.

Leia mais: Talibã toma o controle do Afeganistão e anuncia volta de princípios estabelecidos em 1996

Leia mais: EUA investiga falhas no piloto automático da Tesla

Leia mais: Turismo espacial é ameaçado por 9 mil toneladas de lixo em órbita

Segundo o IBGE, a inflação para alimentação passou de 0,33% para 0,78% no curto período entre junho e julho, se tornando o maior valor para o mês desde 2002, porém o presidente não se responsabilizou pela má gestão financeira do país e reiterou que “Temos problemas? Temos. Eu não quero inflação alta, mas tem coisa que não depende da gente".

 

Foto destaque: Presidente Jair Bolsonaro. Reprodução/Adriano Machado/Reuters.

Deixe um comentário