Saúde e Bem Estar

Mito desconstruído: Colesterol é vital para seu corpo

Muitos acham que o colesterol é maléfico e não sabem o quanto ele é primordial para o funcionamento corporal. É um componente estrutural das membranas celulares e está presente no cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração.

3 min de leitura
29 Jul 2021 - 13h07 | Atulizado em 29 Jul 2021 - 13h07

 Ao conversar sobre riscos, tipos e níveis de colesterol, percebemos muita desinformação. Devemos estar atentos não só para evitar doenças cardíacas como um infarto, mas principalmente para elevar a qualidade de vida.

 Muitos acreditam que o colesterol é maléfico e não sabem o quanto ele é primordial para o funcionamento corporal. É um componente estrutural das membranas celulares e está presente no cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração, produzindo vários hormônios, vitamina D e ácidos biliares que ajudam na digestão das gorduras.

 A especialista em medicina esportiva, Suzete Mota, explica que para trazer benefícios, todos os níveis devem estar bem controlados. Em excesso, ele se deposita nas paredes arteriais, provocando grandes males. “O colesterol alto é risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Se o depósito ocorrer nas artérias coronárias, pode ocorrer angina, que é a dor no peito, e infarto do miocárdio. Nas artérias cerebrais, provoca o derrame”, explicou Suzete.

 São dois os tipos de colesterol. O HDL, “colesterol bom”, ajuda a carregar o colesterol nas artérias e transportá-lo de volta ao fígado para ser expelido; e o LDL, “colesterol ruim”, leva o colesterol de células que mais produzem do que usam, para as células que mais necessitam. É considerado ruim pela relação existente do alto índice de LDL com doenças cardíacas. Mas é preciso ficar atento ao nível do HDL também, pois em nível baixo o risco de doença cardiovascular aumenta.

 O colesterol é vital, pois produz os hormônios esteroides que dão atividade ao organismo: hormônios sexuais estrógeno e progesterona nas mulheres e testosterona nos homens; cortisol, que regula o açúcar no sangue e nos defende de infecções; e a aldosterona, que retém sal e água no organismo e produz vitamina D, responsável pela força dos ossos.

 Não fumar, fazer atividades físicas e evitar comer alimentos gordurosos combatem o alto colesterol. Essa é a melhor estratégia antes de apelar para remédios. O vilão é o excesso de alimentos ricos em gordura como ovos, bacon, pele de frango, manteiga, cremes, frituras e embutidos. Mas existem as gorduras boas. As insaturadas, que ajudam a diminuir o colesterol, mas por serem muito calóricas devem ser consumidas com cautela (oliva, soja, margarina, milho e girassol).

 O aumento do nível de colesterol no sangue não costuma ter sintomas. A única forma de avaliação é o exame de sangue. Pessoas com antecedentes familiares e acima de 20 anos devem fazer a dosagem periodicamente por toda a vida, além de ter cuidados com a alimentação e praticar exercícios físicos.

Causas

 Para o clínico geral Ronald Farah, a tensão cotidiana é que nos provoca males. “Se você levar uma vida saudável e fizer uma atividade física não terá problema. Se uma pessoa enfarta logo perguntam: Comia muita gordura? Ninguém pergunta como era seu cotidiano, ou seja, sua vida familiar, no trabalho, financeira, etc”, ressalta.

 Três causas aumentam o colesterol: alimentos gordurosos em demasia; doenças nos rins, hipotireoidismo e diabetes; e a genética ao observar o histórico familiar. Com relação a isso, o conhecido Dr. Dráuzio Varela explica bem em seu site: “Tive um doente de 64 anos que ingeria uma dúzia de ovos cozidos todos os dias, desde os 18 anos, e tinha colesterol total sempre abaixo de 150. Outros não podem sequer olhar para um vidro de maionese. Os genes que herdamos de nossos antepassados trazem com eles fatores de risco variáveis para doença cardiovascular”, relata.

 Ainda existe o fator do sexo, já que os homens têm maior risco do que as mulheres. Além disso, a idade também tem influência, pois o colesterol se eleva conforme avança, especialmente em homens a partir dos 45 anos e em mulheres na menopausa.

 

 

DICAS DE ALIMENTOS

 


A alimentação é a chave para que o colesterol seja aliado da saúde  (Foto: Reprodução/Agência Brasil)


Automedicação: 77% dos brasileiros utilizam medicamentos sem prescrições médicas

Popularização no home office contribuiu para o aumento do sedentarismo na população

Como a mudança climática vem afetando as pessoas ultimamente

 

Feijão

 Ricos em fibras solúveis. Por demorarem para fazer digestão, eles trazem uma sensação de saciedade por mais tempo.

Azeite de oliva extra-virgem


 Ajudar a impedir o acúmulo de gordura nos vasos sanguíneos. Bastam duas colheres por dia para obter os benefícios.

Peixes

 O ômega 3 regula de forma natural os níveis de colesterol. Peixes como a sardinha, o atum e o salmão têm uma grande quantidade dessa gordura.

Aveia

 Quando se junta à água, auxilia o intestino a eliminar o excesso da gordura prejudicial ao corpo. Comer com frequência otimiza a eliminação do colesterol ruim e do triglicerídeos.

Abacate

 O fruto é um grande aliado do bom funcionado do sistema cardiovascular. Rico em gorduras insaturadas (as famosas gorduras boas), tem efeito anti-inflamatório e vasodilatador que potencializa a melhora da circulação sanguínea.

Alimentos antioxidantes

 Auxiliam a reduzir o colesterol ruim e fazer com que o HDL tenha uma vida útil mais longa, também tem fibras que limpam o organismo e ajudam a eliminar a gordura via fezes.

 

(Foto destaque: Mito desconstruído: Colesterol é vital para seu corpo. Reprodução/Creelo)

Deixe um comentário