Cinema/TV

Luíza Fazio, roteirista da série 'Sintonia', conta sobre os bastidores de criação

A série Sintonia lançada em 2019 dirigida por KondZilla em parceria com a Netflix, acaba de lançar sua segunda temporada na última quarta (27) e a roteirista Luíza Fazio contou um pouco mais como foi o processo de criação da série.

3 min de leitura
28 Out 2021 - 21h50 | Atulizado em 28 Out 2021 - 21h50

A série lançada em 9 de Agosto de 2019, volta a ser assunto após a estréia da sua segunda temporada na última quarta (27), os personagens e a trama passam por um processo de desenvolvimento, mas sem perder sua proposta de mostrar o contidiano dentro da periferia e a luta pelo sonho viver da música do personagem principal.


Trailer do filme 'Sintonia' (Reprodução/Youtube)


Em entrevista ao site Omelete, a roteirista que já esteve em outras produções como Cidade Invisível e Samantha! da Netflix e no documentário da cantora Lexa do Globoplay, Luíza Fazio deu alguns detalhes sobre Sintonia e seus desafios. Criada por KondZilla, Guilherme Quintella e Felipe Braga, a série teve muitos desafios a serem superados, eles passam pelo assunto que interessam o jovens e a moda periférica, as gírias a serem utilizadas motivo que chegou a ser criticado por algumas pessoas dizendo que a obra usava gírias para "malandros de condomínio e os núcleos muito complexos ligado aos personagens Rita (Evangélico), Doni (Música) e Nando (Crime).

 

https://lorena.r7.com/post/Marvel-Robert-Downey-Jr-quase-virou-Dr-Destino-antes-de-fazer-o-papel-de-Homem-de-Ferro

https://lorena.r7.com/post/Horas-antes-da-morte-de-Halyna-Hutchins-parte-da-equipe-pediu-demissao

https://lorena.r7.com/post/Verdades-Secretas-ganha-continuacao-apos-6-anos 


Sobre os nichos Luíza explica, "O núcleo da Rita (evangélico) é o que demanda mais pesquisas. Cada denominação evangélica é muito diferente uma da outra. Então precisamos ter um extremo cuidado para tudo ser fiel à realidade. A gente faz muita pesquisa de campo e conversa com pessoas evangélicas. Estamos tentando mostrar mais a igreja para além dos estereótipos”, afirmou.



Luíza Faizo posando para foto no evento de estréia da série (Foto: Reprodução/Internet).


No caso de Doni, o medo era em relação aos últimos acontecimentos da primeira temporada, que foram desde a morte traumática e de forma trágia de seu pai e seus primeiros passos em direção ao sucesso no mundo da música. “Quando a gente pensou no Doni, refletimos sobre como esse luto afetou ele. Porque o pai dele sempre dizia para ele ter responsabilidade, lutar pelas coisas até o fim. Então, por mais que o pai dele não apoiasse a música, ele também pegou conselhos do pai”, contou a roteirista.

 

Foto Destaque: Jottapê e Christian Malheiros como Doni e Nando na série Sintonia. Reprodução/Netflix).

Deixe um comentário