Notícias

Greve dos caminhoneiros deve contar com o apoio de frentistas e empresários

A greve dos caminhoneiros segue confirmada apesar das tentativas do governo de evitá-la com o auxílio diesel e o congelamento do ICMS. Ela deve contar com o apoio de frentistas e empresários.

3 min de leitura
30 Out 2021 - 11h00 | Atulizado em 30 Out 2021 - 11h00

A greve dos caminhoneiros, marcada para segunda-feira (1), deve contar com o apoio de frentistas e empresários. De acordo com Wallace Landim, um dos líderes da paralisação de 2018, a organização para este ano é maior do que a feita na greve de 3 anos atrás.

A razão para o apoio dos frentistas é o surgimento de uma proposta legislativa que substitui o trabalho deles pelas bombas automáticas, o que, segundo o presidente do Fenepospetro, Eusébio Neto, custaria o emprego de meio milhão de trabalhadores.


Greve estava sendo prometida pelas principais associações de caminhoneiros desde o final de outubro. (Foto: Reprodução/Carla Carniel/Reuters)


Com isso, a pauta dos trabalhadores de postos de combustíveis une-se aos seguintes requerimentos dos caminhoneiros, de acordo com comunicado enviado nesta quinta-feira (28) aos motoristas autônomos: redução do preço do diesel e revisão da política de preços da Petrobras (Preços de Paridade de Importação, que vincula o preço do petróleo ao mercado internacional), piso mínimo do frete, retorno da aposentadoria especial com 25 anos de contribuição, aprovação do Marco Regulatório de Transporte Rodoviário de Carga (PLC 75/2018) e criação e melhoria dos Pontos de Parada e Descanso. O comunicado foi assinado por CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST, CSB, CSP-Conlutas e outras entidades.

Segundo a Gazeta do Povo, a greve também terá o apoio de empresários.

https://lorena.r7.com/post/ICMS-sobre-combustivel-e-congelado-por-90-dias

https://lorena.r7.com/post/Projeto-que-cria-auxilio-gas-para-familias-de-baixa-renda-e-aprovado-pela-Camara-dos-Deputados

https://lorena.r7.com/post/Operacao-Finados-PRF-intensifica-fiscalizacao-nas-estradas


Tentativas de frear a greve

O governo tentou, através do congelamento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) dos combustíveis por 90 dias, impedir o acontecimento da greve. O cálculo de tal imposto, que define o valor dos combustíveis e até então era feito de 15 em 15 dias, ficaria congelado até 31 de janeiro de 2022, numa tentativa de controlar os aumentos frequentes de preço.

De acordo com o Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial da Escalq/USP, os combustíveis representam 39% das despesas do transporte rodoviário.


Paralisação de caminhoneiros em Duque de Caxias, no RJ. (Foto: Reprodução/Fábio Costa/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)


Também houve uma outra tentativa de contornar a paralisação, feita por anúncio de Jair Bolsonaro na quinta-feira passada (21). O presidente prometeu beneficiar pelo menos 750 mil caminhoneiros com o auxílio diesel no valor de R$ 400,00.

Contudo, a greve segue marcada para segunda-feira.

Foto destaque: Homens segurando aviso sobre a greve. Reprodução/VEJA

Deixe um comentário