Tech

Google compra prédio de US$ 2 bilhões para construir uma comunidade aos funcionários

A compra do prédio de US$ 2 bilhões em Manhattan, tem como plano, um retorno aos escritórios, dando fim ao Home Office em um cenário mais avançado da vacinação contra o Covid19

3 min de leitura
23 Set 2021 - 16h57 | Atulizado em 23 Set 2021 - 16h57

Com a maior quantia paga por um prédio comercial nos Estados Unidos desde 2020, a companhia de serviços onlines e software Google está comprando o edifício St. John's Terminal em Manhattan, por US$ 2,1 bilhões de dólares, anunciou a empresa na última quinta-feira (21).

https://lorena.r7.com/post/Oracle-aposta-em-nova-solucao-para-acelerar-ciclos-de-negocios

https://lorena.r7.com/post/Shantal-mostra-o-primeiro-encontro-dos-filhos

https://lorena.r7.com/post/Fundacao-de-Bill-Gates-anuncia-arrecadacao-de-U-1-bilhao-de-dolares-para-projetos-de-energia-limpa

 Em uma publicação no blog oficial da companhia, Ruth Porat, CFO da Alphabet, dona do Google, afirmou: “O Google tem a sorte de ter a cidade de Nova York como seu lar por mais de 20 anos, período durante o qual crescemos para 12 mil funcionários. A vitalidade, criatividade e talento de classe mundial de Nova York são o que nos mantém enraizados aqui. É por isso que estamos anunciando que estamos aprofundando nosso compromisso com Nova York e pretendemos comprar o Terminal St. John em Manhattan por US$ 2,1 bilhões, que servirá como a âncora de nosso novo campus da Hudson Square


Compra feita pelo Google equivale a quase a 10 bilhões de reais (Foto: COOKFOX Architects/Divulgação)



 O CFO da Alphabet apontou a compra do edifício como uma “abordagem híbrida mais flexível para trabalhar”, o que facilitará que os funcionários se reúnem pessoalmente para colaborar e construir uma comunidade. Ruth acrescentou: “Nossa decisão de exercer nossa opção de comprar o Terminal St. John se baseia em nossos planos existentes de investir mais de US$ 250 milhões este ano em nossa presença no campus de Nova York. É também uma parte importante do cumprimento de nossos compromissos de igualdade racial anunciados anteriormente, que incluem continuar a aumentar nossa força de trabalho em diversas comunidades, como Nova York

 Durante a pandemia, as principais companhias de tecnologia líderes optaram pelo trabalho remoto de seus funcionários, o que se tornou um padrão durante os dois anos do mundo pandêmico. No entanto, com os anúncios sobre a compra, aluguel e construção de escritórios pelas empresas de tecnologia, a tendência de “todo mundo trabalhar em casa” como um negócio fechado deixou de ser considerada a longo prazo.

 

 

Foto Destaque: Projeto da Alphabet será um novo capítulo para o mundo pós pandêmico.Reprodução/Forbes

Deixe um comentário