Tech

Empreendedora cria empresa no mercado legal de cannabis após tratamento de filho com TDAH

Após diagnóstico de filho com TDAH, mãe empreendedora descobre tratamento com canabidiol e cria empresa especializada no mercado de cannabis, incentivando o tratamento seguro com a planta medicinal.

3 min de leitura
26 Ago 2021 - 16h44 | Atulizado em 26 Ago 2021 - 16h44

Os desafios como mãe, para Bruna Dagostino Ramos, fez com que a empreendedora descobrisse uma medicação alternativa para o seu filho Phillips, de um ano, após ser diagnosticado erroneamente com TEA (Transtorno do Espectro Autista). Insegura com as medicações, ela começou a estudar, por conta própria, tratamentos alternativos para o seu filho. 

Foi a partir da busca, que Bruna descobriu a medicação à base de CBD (canabidiol), substância extraída da planta Cannabis, que atua no sistema nervoso, eficaz para tratamento de doenças psiquiátricas ou neurodegenerativas. Aos três anos, o seu filho faz tratamento diário com o CBD, contudo para TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), sua verdadeira condição.

https://lorena.r7.com/post/Filhas-de-Gugu-acusam-tia-de-manipulacao-em-video-publicado-na-internet-Pedi-a-Porshe-que-eu-sempre-sonhei-e-ela-negou

https://lorena.r7.com/post/Ilha-Record-Pyong-e-Antonella-vao-para-o-Desafio-da-Sobrevivencia

https://lorena.r7.com/post/CBF-troca-de-presidente-mas-Rogerio-Caboclo-pode-recorrer-da-decisao

Segundo um estudo realizado pela revista científica “Nature”, de 188 pacientes com TEA tratados com cannabis medicinal, 30,1% relataram uma significativa melhora dos sintomas durante os primeiros seis meses de tratamento, enquanto outros 53% obtiveram uma resposta moderada no mesmo período. O tratamento provou a eficácia para sintomas de inquietação, irritabilidade e ataques de raiva, agitação, ansiedade, problemas do sono, constipação e problemas na digestão. Ao todo, essas melhoras foram notadas em 75% dos participantes. O estudo mostra ainda resultados positivos no tratamento do canabidiol com crianças.

No caso de Bruna, os resultados surgiram após o primeiro mês de uso do CBD, com o seu filho progredindo no foco, na fala e nas condições do sono. “Com o uso contínuo há quase um ano, meu filho teve uma grande evolução. Antes, ele tinha atraso de fala e acordava muitas vezes durante a noite. Pude ver os resultados do tratamento de perto, o que foi muito especial”, revela.

Foi quando a empreendedora decidiu, junto ao seu marido, Paulo Ramos, criar a Seeding Brasil, uma master service que busca estimular o mercado de cannabis legal no país, tornando as medicações a base da planta mais acessível para pacientes e médicos em todas as regiões. Lançada oficialmente no início deste ano, 2021, a companhia oferece serviços de suporte a médicos e pacientes e consultoria de mercado para empresas farmacêuticas interessadas em comercializar os produtos no país.

 


O estudo mostra ainda resultados positivos no tratamento do canabidiol com crianças. (Foto: Reprodução/Bigstock)


No Brasil, para conseguir os remédios, é necessário ter uma receita médica e a autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Conversamos com cerca de 30 médicos a cada semana e percebemos que muitos deles já enxergam os benefícios do tratamento, mas ainda têm dúvidas sobre as indicações do canabidiol ou como fazer a prescrição correta.” Com essa ideia, a Seeding passou a organizar eventos para disseminar informações confiáveis sobre o setor.

A empresa utiliza tecnologia blockchain para rastrear os produtos em todo o processo, dos fabricantes aos revendedores e consumidores finais. “Conseguimos identificar todo o processo: qual semente foi usada e onde ela foi plantada até chegar ao óleo de canabidiol que é vendido. Isso otimiza o processo e aumenta a confiabilidade da indústria, algo fundamental”, considera.

No Brasil, a Anvisa aprovou, em 2020, a importação legal da planta para o uso medicinal de produtos à base de canabidiol para tratamentos sob prescrição médica. Anteriormente utilizada apenas para tratamentos de doenças como epilepsia e Parkinson, a cannabis agora está sendo receitada para combater a ansiedade e depressão.

 


Foto Destaque: 
Empreendedora cria empresa no mercado legal de cannabis após tratamento de filho com TDAH. Reprodução/Forbes/Seeding Brasil

Deixe um comentário