Notícias

Distribuição gratuita de absorventes é vetada por Bolsonaro

Proposta aprovada pelo Congresso e pelo Senado que previa distribuição de absorventes higiênicos é vetada por Bolsonaro. O presidente justifica o veto pela falta de fonte de custeio.

3 min de leitura
07 Out 2021 - 22h30 | Atualizado em 07 Out 2021 - 22h30

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), sancionou a lei que estabelece o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual. A proposta que sugeria o fornecimento gratuito de absorvente menstrual foi vetada hoje (07/10), pelo presidente e publicada no Diário Oficial da União. O projeto era um dos principais, originário na câmara dos deputados, ele já havia sido aprovado pelo senado.

Bolsonaro afirma que consultou o Ministério da Economia e da Educação, e em justificativa ao veto, declarou: "a proposição legislativa contraria o interesse público, uma vez que não há compatibilidade com a autonomia das redes e estabelecimentos de ensino". O presidente informou ainda, que a proposta elaborada pelo congresso, não previu fonte de custeio para tais medidas.


Mulher segura um absorvente menstrual. (Foto: Alice Sousa/G1)


Apesar de ter sancionado o projeto, o presidente vetou o artigo 1º que previa a distribuição gratuita dos absorventes e o artigo 3º que determinava a lista de beneficiarias:

·       Estudantes de baixa renda matriculadas em escolas públicas;

·       Mulheres em situação de rua ou vulnerabilidade social extrema;

·       Apreendidas e presidiárias em unidades de sistema penal e internadas; em unidades para cumprimento de medida socioeducativa.

Além dos artigos, Bolsonaro vetou também a medida que garantia absorventes nas cestas básicas distribuídas pelo Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. As decisões presidenciais podem ser mantidas ou derrubadas pelo Congresso Nacional, no período de 30 dias após a publicação no Diário Oficial.

https://lorena.r7.com/post/Medicos-da-Prevent-Senior-relatam-inseguranca-apos-denuncia-ser-divulgada

https://lorena.r7.com/post/Os-Sete-Maridos-de-Evelyn-Hugo-volta-ao-topo-dos-livros-mais-vendidos-no-Brasil

https://lorena.r7.com/post/Taxa-de-desemprego-e-reduzida-em-1-no-Brasil

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e o Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) fizeram este ano o relatório ''Pobreza Menstrual no Brasil: desigualdade e violações de direitos'', o qual destaca que mais de 4 milhões de jovens não têm itens básicos de higiene nas escolas quando estão menstruadas e 713 mil vivem sem acesso a banheiro ou chuveiro em sua residência.

A bancada feminina do Congresso Nacional já se prepara para derrubar os vetos adotados sobre o projeto de lei de combate à pobreza menstrual.

A deputada Tabata Amara (PDT-SP), uma das coautoras do projeto, se manifestou sobre conduta do governo “falta de humanidade, de visão social, de empatia”. “Já estamos articulando para derrubar o veto, pressionando todos os parlamentares. Vamos juntos derrubar esse absurdo”, afirmou a deputada.

 

Foto destaque: Evaristo SA / AFP

Deixe um comentário