Notícias

Prepare o bolso: conta de luz pode subir 21,04% no ano que vem

Na projeção da Aneel, o aumento é motivado pelo o recorrente uso das termelétricas e das contratações de energia realizadas pelo governo; taxa extra terá o nível mais alto de cobrança.

3 min de leitura
14 Nov 2021 - 10h30 | Atualizado em 14 Nov 2021 - 10h30

O preço da conta de luz vai continuar alto em 2022 e quem sofre é o consumidor. O novo reajuste previsto é superior a 20% no ano que vem, apontam os documentos internos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) obtidos pelo Estadão.

No documento, o órgão regulador realizou uma projeção do impacto da atual crise hídrica sobre o preço da conta de luz em todo o Brasil. Estima-se que o aumento tarifário médio será equivalente a 21,04%, três vezes a mais do que o reajuste deste ano que chega a 7,04% para o consumidor residencial. O acréscimo é justificado pelo recorrente uso das termelétricas, indica a Aneel.

O Brasil no último período úmido registrou o pior regime de chuvas dos últimos 91 anos. Em razão desse cenário adverso, para compensar o baixo nível dos reservatórios com a falta de chuva, têm sido utilizados todos os recursos de oferta de energia disponíveis e foram tomadas medidas excepcionais para assegurar o suprimento de energia no País”, esclarece a Annel em nota após informações veiculadas (na sexta-feira) acerca da conta de luz. 


 

Rombo da crise hídrica eleva 21,04% a conta de luz dos consumidores em 2022. (Foto: Reprodução/ Tecmundo)


Desde setembro, cada consumidor de energia paga R$ 14,20 a mais a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos, por conta da escassez de chuvas nas usinas hidrelétricas.  A taxa extra, conhecida como bandeira de escassez hídrica, substitui a bandeira vermelha 2 e será cobrada até 30 de abril de 2022. 

A área técnica da agência - após analisar as projeções de geração de energia e dos custos previstos - aponta para um rombo equivalente a R$ 13 bilhões, “já descontada a previsão de arrecadação da receita da bandeira tarifária patamar escassez hídrica no período”, ou seja, a  taxa extra terá o nível mais alto de cobrança até abril de 2022.

https://lorena.r7.com/post/Pela-6a-semana-gasolina-sobe-e-valor-do-litro-a-R-799-avanca-pelo-pais

https://lorena.r7.com/post/Brasil-ja-distribuiu-mais-de-350-milhoes-de-doses-da-vacina-contra-a-COVID-19-em-todo-o-pais

https://lorena.r7.com/post/Austria-prepara-lockdown-exclusivo-para-cidadaos-nao-vacinados

Além do racionamento de água, outra fatura que será quitada pelo cidadão tem origem nas contratações de uma “energia reserva” realizada pelo governo federal, para evitar a escassez de água.  A energia será entregue a partir de maio e acresce R$ 9 bilhões no rombo financeiro do setor elétrico.

Em nota, publicada na sexta-feira (12), a Annel enfatiza que “tem envidado esforços para atenuar os impactos da escassez hídrica nos processos tarifários de 2022, a exemplo de todos os esforços que foram empreendidos nos anos de 2020 e 2021 e que permitiram que os impactos da pandemia no aumento das tarifas fossem significativamente reduzidos, em prol de toda a sociedade brasileira e da sustentabilidade do setor elétrico.

 

Foto destaque: Aumento na conta de luz. Reprodução: Campo Grande News

 

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo