Saúde e Bem Estar

Nova Zelândia aposta em parceria com redes de fast-foods para vacinação

Em parceria inédita, Nova Zelândia une vacinação contra a covid-19 e fast-foods para atingir meta de 90% da população completamente vacinada para, então, acabar com as medidas restritivas no país.

3 min de leitura
24 Set 2021 - 18h47 | Atulizado em 24 Set 2021 - 18h47

Pouco mais de um mês em quarentena, a cidade de Auckland na Nova Zelândia reestabeleceu as atividades moderadamente. O novo período de lockdown no país foi devido a um caso isolado de covid-19 e, após a retomada das atividades e da reabertura dos estabelecimentos, o governo decidiu promover a vacinação contra a covid-19 de uma forma inusitada: Unindo a vacinação com restaurantes de fast-foods. O governo da Nova Zelândia está em negociação com as principais redes de fast-foods do país e a ideia inicial é de que as lojas passem a oferecer os imunizantes nas filas formadas enquanto os clientes esperam as refeições. “Queremos apenas chegar aonde a pessoas estão”, afirma o vice-primeiro-ministro, Grant Robert em entrevista para a Rádio Nova Zelândia.

EUA libera 3ª dose da Pfizer para idosos acima de 65 anos

No Japão, homem afirma dormir apenas 30 minutos por noite

Covid-19: Morte de adolescente não teve relação com a vacina

Com a prática, o país pretende atingir 90% da população completamente vacinada contra a covid-19. Atualmente, a Nova Zelândia possui 38% da população completamente vacinada e 72% vacinada com a primeira dose. Até o momento, o governo está em negociação com três grandes redes de fast-foods: Taco Bell, Pizza Hut e KFC, mas a ideia é expandir para outras grandes redes de fast-foods do país. A primeira-ministra Jacinda Ardern pretende acabar com as medidas restritivas no país quando a vacinação atingir o total de 90% da população totalmente imunizada.


Doses de imunizantes contra a covid-19 (Foto: Reprodução/ Pixabay)


Na noite de terça-feira, 22, a polícia federal da Nova Zelândia apreendeu dois homens que tentavam entrar em Auckland com um carro cheiro de lanches do KFC, um dia antes da chamada “corrida aos fast-foods”. Para introduzir a vacinação nas redes de fast-foods, o único empecilho tem sido conseguir que as pessoas aguardem 20 minutos após a aplicação da vacina para serem atendidas no estabelecimento escolhido. No entanto, o governo considera que é um “tempo curto” no que se refere ao fim da quarentena no país.

Foto Destaque: Estabelecimento do restaurante Pizza Hut. Reprodução/ Online Store Suruveys

 

 

Deixe um comentário