Esportes

Neymar tem ano de coadjuvante no PSG

2021 foi um ano de altos e baixos para o Neymar. O jogador brasileiro está se lesionando menos. Porém, nesse ano o seu protagonismo no PSG diminuiu com a chegada de reforços como o Messi.

3 min de leitura
31 Dez 2021 - 16h43 | Atulizado em 31 Dez 2021 - 16h43

Com o ano indo embora, as análises do ano aparecem e uma estatística do Neymar se destacou. O jogador teve a sua pior média de participação em gols em um ano desde que ele pisou na Europa. Nas 46 partidas disputadas pelo PSG e seleção brasileira, o craque fez 17 gols e 17 assistências, contabilizando 34 participações em gol (0,84 partição de gol por jogo). Esse número é alto comparado a outros jogares, mas em comparação ao Neymar é bem abaixo. 


Trio Messi, Mbappé e Neymar.(Foto:Reprodução/John Berry/Placar)


No meio de 2021 chegaram um pacotão de jogadores em Paris. Esses atletas são: Donnarumma, Hakimi, Nuno Mendes, Wijnaldum, Sergio Ramos e Messi. O elenco do PSG se tornou o mais forte do mundo, porém, o técnico Mauricio Pochettino ainda não conseguiu montar um time que consiga extrair o melhor dos jogadores. O principal jogador que está sofrendo por essa falta de entrosamento do time é o Neymar. O Mbappé e o Messi são jogadores que não ajudam na fase defensiva, então o Neymar está tendo que “correr” pelos dois jogadores. Além de se desgastar voltando para marcar, o craque brasileiro perdeu a liberdade de atacar pelo lado que preferisse, pois como o Messi joga pelo lado direto, o Ney vem jogando mais atuando preso pelo lado esquerdo. No entanto, nessa parte do campo, o brasileiro se esbarra com o volante Wijnaldum. Com isso, o Neymar vem atuando cada vez mais longe do gol. Enquanto o Neymar está se “sacrificado”, o Mbappé está jogando a melhor temporada de sua carreira e o craque argentino a cada jogo se adapta mais o PSG e ganha o protagonismo de dono do meio campo que era antes do brasileiro. 

Esse foi um ano em que o craque brasileiro mais atuou em número de partidas desde que chegou no PSG, foram 46 partidas somando clube e seleção. Desde que chegou em Paris, Neymar sofreu bastante com lesões, inclusive está nesse momento fora dos gramados por causa de uma entorse no tornozelo. Mas no último ano, o atacante não teve nenhuma lesão grave como a famosa lesão do metatarso (a lesão que o deixou de molho por quase 3 meses e nesse período teve a polêmica em que o Neymar machucado foi visto no carnaval dançando na véspera a um jogo de Champions do PSG). Ao analisar o número de jogos é uma evolução, mas dentro de campo os números de gols e assistências vem caindo. 

https://lorena.r7.com/post/Mbbape-e-Haaland-podem-chegar-ao-Real-Madrid-na-proxima-temporada 

https://lorena.r7.com/post/Neymar-brinca-sobre-comprar-o-Santos-em-live 

https://lorena.r7.com/post/Paris-Saint-Germain-homenageia-Ronaldinho-Gaucho-com-video-especial 


Mas na seleção brasileira o craque continua sendo o principal jogador, muito por esta liberdade de jogar em qualquer lado. Nos últimos amistosos da seleção brasileira, apareceu um brilho na amarelinha que não se via desde antes da copa do mundo de 2018. O Neymar atuando com o Raphinha foi uma dupla que deu certo. Esse ponta teve 2021 como seu auge na carreira, além dele, Vinícius Jr, Antony e Paquetá tiveram nesse ano que vai acabar um protagonismo em seus clubes que fazem o brasileiro pensar que em 2022 o hexa poderá chegar. 

Foto destaque:Neymar. Reprodução/David Ramos/EFE.

Deixe um comentário