Moda

Marcas investem na produção de couro sustentável

Conscientes do impacto negativo da pecuária no clima, marcas buscam materiais que possam substituir o couro animal. O mylo, um tipo de couro fabricado a partir de fungos, se destaca como uma opção sustentável

3 min de leitura
16 Dez 2021 - 14h52 | Atualizado em 16 Dez 2021 - 14h52

A conscientização a respeito do impacto negativo da pecuária no clima tem feito com que marcas se mobilizem na busca por materiais que sirvam como alternativa ao couro animal. Em novembro deste ano, a estilista Stella McCartney se juntou aos líderes mundiais na COP26, realizada em Glasgow, na Escócia, e levantou a bandeira contra o uso do couro animal na indústria da moda. O mylo esteve entre as soluções propostas por McCartney, um tipo de couro fabricado a partir de fungos. Utilizado nas peças da estilista desde 2017, o material é produzido pela empresa Bolt Threads.

 

Geração Z e a revolução na moda

Conheça o preppy: trend de moda naturalmente burguesa

Yebo faz sua estreia na 49ª edição da Casa de Criadores


De acordo com um relatório publicado pela consultoria Statista, itens feitos de couro animal corresponderam a 15%, 48 bilhões de dólares, das peças de luxos que foram vendidas em 2019. Neste ano, a grife francesa Hermès, que é famosa por suas bolsas, anunciou que substituiria o material pelo sylvania, um couro de cogumelos desenvolvido em parecia com a MycoWorks. A promessa era que até o final deste ano a bolsa Victoria seria produzida com matéria-prima 100% vegana.


Peças de mylo criadas pela estilista Stella McCartney (Foto: Reprodução/Stella McCartney)


Marcas brasileiras também têm procurado por soluções que sejam mais sustentáveis. Na última temporada da São Paulo Fashion Week, por exemplo, a P. Andrade desfilou uma nova versão da Tabi, bota originalmente lançada em 1988, sendo que o diferencial do sapato repaginado ficou por conta da divisão entre os dedos que é feita de fibra de cacto, um material importado do México. Será possível adquirir a bota Tabi a partir do primeiro semestre de 2022.

Pedro Andrade, cofundador e designer da P. Andrade, conta que a desde o seu começo a marca tem se reunido com fabricantes, cientistas e engenheiros têxteis, com o objetivo de encontrar novos caminhos dentro do mercado da moda. Aqui no Brasil, além da fibra de cacto também estão disponíveis materiais desenvolvidos a partir de soja e rosas, milho e banana.



Foto destaque: Príncipe Charles e Stella McCartney na COP26. Reprodução/Stella McCartney

Deixe um comentário