Money

Famílias bilionárias viram protagonistas no mercado de criptomoedas 

Assessoradas por family offices, elas já detém cerca de 4% do mercado de criptomoedas. E, embora os criptoativos sigam sofrendo com suas oscilações, estas famílias bilionárias continuam investindo no novo segmento.

3 min de leitura
22 Nov 2021 - 14h14 | Atulizado em 22 Nov 2021 - 14h14

Cada vez mais interessados pelo mercado de criptomoedas, os “family offices” - apelido dado às empresas privadas que lidam com a gestão de investimentos para famílias de alto poder aquisitivo - não perderam tempo e estão dispostos a investir no segmento em ascensão. Escritórios de médio porte vêm investindo em torno de 1% de seu portfólio nos criptoativos, aponta uma pesquisa recente realizada pela Campden Wealth, empresa independente que auxilia negócios familiares.

Segundo o apurado pela Campden Wealth em 2019, estima-se que mais de sete mil escritórios de family offices eram voltados à assessoria de somente uma família, números que podem ter sofrido alterações em virtude da pandemia de Covid-19. Tendo em conta que estes escritórios gerenciam, em média, US$1 bilhão em patrimônio familiar, pode-se deduzir que cada uma dessas empresas possui por volta de US$11 milhões na forma de criptoativos. Caso isso seja realmente verdade, isso significaria que, somando todos os investimentos em criptomoedas, estes escritórios teriam, juntos, mais de US$80 bilhões em ativos digitais.


Dos US$1,9 trilhão em investimentos, 4% são dos family offices (Foto: David Mcbee/Pexels)


Mesmo com todas as contínuas oscilações ocorridas nos valores das criptomoedas,  os escritórios de family offices seguem direcionando parte dos seus investimentos para esse novo mercado que está se tornando o "queridinho" dos bem afortunados. Uma das razões pelas quais o segmento de ativos digitais se tornou tão popular é fato de que muitos acreditam que as criptomoedas podem ser uma válvula de escape contra a inflação. 

 

Maior iate do mundo contará com um condomínio de luxo com 39 apartamentos

Méliuz tem prejuízo de mais de R$2,9 milhões no terceiro trimestre

Banco Central avalia a regulamentação de criptoativos como veículo de investimento


Vale ressaltar que a maior parte destes investimentos se encontram na América do Norte, onde aproximadamente um terço dos family offices norte-americanos voltaram suas atenções para o mundo das criptomoedas. São poucas as famílias bilionárias que não possuem esse tipo de assessoria atualmente. De acordo com a diretora sênior de pesquisa da Campden Wealth, Rebecca Gooch, finalmente "os family offices começaram a mergulhar nos investimentos em criptomoedas".

 

Foto Destaque: Criptomoedas. Worldspectrum/Pexels

Deixe um comentário