Exclusivas

Exclusivo: Rosamaria conta sobre sua experiência em Tokyo e suas expectativas para próxima temporada

Destaque da Seleção Brasileira em Tokyo, Rosamaria conversou com Portal Lorena R7 sobre as olimpíadas, suas expectativas para próxima temporada e o grande carinho dos fãs nas redes sociais.

3 min de leitura
29 Ago 2021 - 11h08 | Atulizado em 29 Ago 2021 - 11h08

A Seleção Brasileira de vôlei feminino ficou com a prata em Tokyo e teve como destaque uma estreante em olimpíadas. Rosamaria teve grandes atuações vindo do banco de reservas, mudando as partidas. Além de sua grande habilidade, a jogadora ficou marcada por sua postura aguerrida, com muita vibração, que contagiava o elenco e botava fogo nas partidas.

A oposta da seleção viralizou na internet durante as olmpíadas, após a atuação na partida contra a Coreia, onde o Brasil venceu por 3x0, a jogadora foi apelidada pelos internautas como 'Rosamaria pistola'. Um bloqueio de Rosamaria no terceiro set foi um dos pontos altos da partida que levou os internautas a comentarem sobre o desempenho da atleta. A expressão flagrada em imagens durante a transmissão "Não vai passar", dita pela atleta após a jogada, foi parar entre os principais destaques de uma rede social. Antes mesmo de desembarcar de volta ao Brasil após os Jogos Olímpicos, ela chegou a 1 milhão de seguidores nas redes sociais.


                          https://lorena.r7.com/public/assets/img/galeria-imagens/rosamaria.jpg

                                               Rosamaria Brasil x Rússia vôlei Olimpíadas — Foto: REUTERS/Valentyn Ogirenko


A sensação das olimpíadas, Rosamaria, concedeu uma entrevista exclusiva para o Portal Lorena R7. Confira!

 

- Qual foi a sensação de jogar sua primeira olimpíada?

“Foi uma sensação bem diferente. A Olimpíada tem uma energia especial. Senti um pouco de ansiedade da estreia, mas com a ausência de público acabou sendo mais tranquilo do que eu imaginava. Tinha feito um bom trabalho na Liga das Nações para tentar me preparar para as Olimpíadas, e fiquei feliz por ter entrado bem em todos os momentos em que fui solicitada. Sabemos que, mentalmente, é uma competição bem diferente, mas nos mostramos bem preparadas”.

- Como foi assumir uma responsabilidade tão grande, entrando no lugar da Tandara, umas principais jogadoras da seleção?

“Todas nós trabalhamos duro para suprir alguma ausência se houvesse necessidade. O grupo se preparou bem para dar força para quem tivesse que entrar. O tempo todo foi assim. Não estávamos despreparadas. A gente treinou para suprir qualquer mudança. Nosso grupo estava muito fechado, independentemente de qualquer coisa que acontecesse. A Olimpíada tem o fator psicológico, mas é voleibol, é o que estamos acostumadas. Nada mudou. Então esse foi o pensamento: fazer o que a gente trabalhou e se preparou”.

- Você ficou marcada pela garra e raça em quadra. O que te motiva a entrar sempre com essa postura?

“Quem me conhece, acompanha a minha carreira, sabe que eu sempre tive esse perfil. É uma característica minha muito forte. Aquela energia sou eu e. pode fazer a diferença, principalmente, em momentos de alto nível. Muitas vezes essa energia é que faz você querer mais, buscar, conquistar um ponto. Além do físico, técnico, tático, a gente tem que querer muito”.

 

https://lorena.r7.com/post/Perdas-inesperadas-Ligas-europeias-nao-liberam-jogadores-a-selecao-brasileira

https://lorena.r7.com/post/EXCLUSIVO-Ludmilla-e-processada-pelo-proprio-advogado-e-pode-perder-R-100-mil-reais

https://lorena.r7.com/post/Mano-Brown-recebe-Karol-Conka-na-estreia-do-podcast-Mano-a-Mano

 

- Você esperava tanto sucesso na internet durante as olimpíadas? E como reagiu a tanto carinho por parte de seus fãs?

“Fiquei muito feliz com o crescimento do carinho que tenho recebido até hoje. Quando eu cheguei no Brasil foi que eu pude ver toda a proporção. É o reconhecimento do meu trabalho. A gente fez bonito e as pessoas gostaram. É claro que a visibilidade das Olimpíadas é totalmente diferente. Adorei e fico feliz por ter correspondido às expectativas, por ter ajudado o Brasil e por ter esse reconhecimento. Agora é trabalhar ainda mais duro para que todo mundo continue acompanhando e vibrando”.

- Qual a lição que você tirou da medalha de prata nas olimpíadas?

“A lição que fica é a de que trabalhando as coisas podem acontecer, até porque não existe jogo ganho fora de quadra. Ninguém ganha antecipadamente e nem no papel. Acho que o trabalho duro é recompensado no final quando acreditamos nas nossas convicções e não damos ouvidos aos outros. Muitas vezes, a nossa seleção não foi colocada entre as favoritas, mas trabalhamos muito para fazer o nosso melhor.”

- Quais são suas expectativas para sua próxima temporada na Itália?

 “As expectativas são muito boas. Foi montado um time muito forte e acredito que vamos brigar por títulos. Pessoalmente, venho evoluindo nessas duas temporadas na Itália, e a Olimpíada veio para coroar isso, mostrando o quanto eu consegui crescer lá fora. Agora espero que esse crescimento continue na equipe do Novara. Jogar uma Champions League, o campeonato de clubes mais forte do mundo, será uma grande experiência, uma bagagem que quero muito ter. Espero conseguir realizar muitas coisas nesta temporada”.

- O quanto Tokyo 2020 pode ajudar a seleção brasileira a buscar a medalha de ouro em Paris 2024?

“Acho que essa Olimpíada trouxe uma motivação muito legal. Grande parte do grupo tem chances de brigar para estar em Paris, e tenho certeza de que essa experiência pode contribuir, principalmente, por todo o cenário que passamos e por termos construído o nosso caminho no dia a dia”.

(Foto destaque: Reprodução)

 

Deixe um comentário