Tech

Delação de ex-funcionária do Facebook agita os bastidores da companhia

Mark Zuckerberg têm enfrentado dor de cabeça com os funcionários após Frances Haugen depor ao Congresso, alegando que o Facebook prioriza o lucro em detrimento da saúde mental do público

3 min de leitura
16 Out 2021 - 18h42 | Atulizado em 16 Out 2021 - 18h42

As últimas semanas têm sido agitadas para o Facebook. Após Frances Haugen, uma ex-funcionária da companhia depor  ao Congresso dos Estados Unidos na última semana, alegando que a empresa prioriza o lucro em detrimento da saúde mental do público e da desinformação sobre campanhas eleitorais e vacinas, o CEO Mark Zuckerberg têm enfrentado dor de cabeça com os funcionários.

 

 O bilionário, que tem sofrido fortes acusações e processos judiciais nos últimos anos por conta do mau uso dos dados dos usuários das redes sociais, têm tentado convencer colaboradores e o público de que as afirmações de Haugen, fundamentadas por documentos internos da companhia, são superficiais.

 


Frances Haugen coloca o Facebook diante de sua "falência moral" em Congresso. (Foto: Pool/Getty Images)


 Nos bastidores, dentro do Facebook, os funcionários se dividem enquanto os executivos da companhia têm buscado gerenciamento de crise para amenizar as preocupações sobre a denúncia da ex-funcionária. 

 

 Segundo a reportagem do New York Times,  os executivos vêm sendo convocados para reuniões e briefings de emergência, recebendo instruções e memorandos com informações sobre como devem tratar sobre os eventos recentes” com amigos, familiares e a imprensa.

 

 Entre as instruções, estaria negar que o Facebook coloca o lucro acima da segurança dos usuários, apresentando também informações sobre como a companhia pediu regulamentações do governo.

 

https://lorena.r7.com/post/Snapchat-vai-monetizar-criadores-de-conteudo

https://lorena.r7.com/post/Apple-desenvolve-novo-sistema-que-integra-funcoes-do-carro-ao-iPhone

https://lorena.r7.com/post/SumUP-e-Generation-fecham-parceria-para-oferecer-curso-de-tecnologia-gratuito-para-minorias

 

 Nos documentos apresentados por Haugen ao Congresso, a ex-funcionária relata sobre os danos das redes sociais, como o Instagram, que é prejudicial para mulheres jovens e adolescentes. Ao 60 Minutes, programa de entrevistas nos Estados Unidos, Haugen afirmou: “Eu já conhecia um monte de redes sociais e era substancialmente pior no Facebook do que em qualquer outra que eu tenha conhecido antes”. Haugen já havia anteriormente  trabalhado para o Google e Pinterest.

 

 Dentro do Facebook, alguns funcionários veem Haugen como uma espécie de heroína, que está dando visibilidade ao que muitas pessoas vêm dizendo há anos. Muitos funcionários acreditam que a empresa deveria ouvir sua opinião em uma reunião interna, enquanto outros afirmam que ela não possui credibilidade.



 

 

Foto Destaque: Mark Zuckerberg tenta amenizar situação com funcionários após denúncias contra a empresa.   Reprodução/Getty Images

Deixe um comentário