Money

Comércio eletrônico tem queda no mês de julho, enquanto varejo físico volta a crescer

Comércio eletrônico brasileiro recua mais de 9% após grande alta da pandemia, e varejo físico vê alta de mais de 47% no terceiro trimestre de 2021; destaque vai para alta nos restaurantes

3 min de leitura
26 Ago 2021 - 17h10 | Atulizado em 26 Ago 2021 - 17h10

As vendas do comércio eletrônico brasileiro registraram queda no mês de julho, após um recorde de vendas no primeiro semestre. De acordo com o levantamento fornecido pela Mastercard, as vendas digitais tiveram um crescimento negativo de -9,6% em julho em comparação ao ano de 2020. 

 

A queda se deve ao retorno do varejo físico no país. Com a reabertura dos comércios e o avanço da vacinação, o comércio físico demonstra sinais de recuperação, como demonstra a Análise de Comportamento de Consumo do Itaú Unibanco. No segundo trimestre de 2021, a categoria cresceu mais de 47,2% no país.

 


 

Varejo se recupera após pandemia (Foto: Reprodução/Clark Street Mercantile)


O segmento de maior crescimento foi o setor de restaurantes, com um crescimento de 85%. Em seguida, o setor dos vestuários, com 65% de aumento. A flexibilização da quarentena e o fim dos limites de horário revelam um futuro promissor para o varejo físico. 

 

De acordo com o gerente da Mastercard Brasil, o futuro do varejo é otimista. ‘’O comércio físico continua a mostrar sinais de recuperação, já que as vendas no varejo em todos os setores mostram crescimento em uma comparação ano a ano e ano a 2 anos. É possível notar o otimismo do consumidor à medida que avança a vacinação e o varejo tradicional volta à atividade.’’, afirmou o profissional para a Mastercard.


Regulamentação de criptomoedas é uma possibilidade, segundo deputados estadunidenses

 

Senado aprova fim de cadastro negativo de microempreendedoresdurante a pandemia 

 

Amazon pretende abrir lojas físicas nos Estados Unidos, segundo jornal

 

Em comparação a 2019, as vendas do varejo físico cresceram em 34,2%, enquanto as do digital cresceram em 108,9%. O contexto da pandemia foi excepcional para o aumento das vendas digitais. Dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) revelam que o ramo cresceu 68% em comparação a 2019. O isolamento social e as regras da quarentena proporcionaram uma nova realidade de compra, forçando o varejo a se adaptar rapidamente a essas mudanças, o que levou a um valor recorde de compras pela internet. 

 

 

 

 

Foto destaque:  Comércio eletrônico tem queda no mês de julho, enquanto varejo físico volta a crescer. Reprodução/Pixabay.

Deixe um comentário