Money

Bancos digitais sofrem queda de usuários ativos

Em setembro bancos digitais sofreram uma queda de downloads e de usuários ativos, e como consequência, o mercado financeiro cria novas estratégias para manter os investimentos e rentabilidade.

3 min de leitura
13 Out 2021 - 20h00 | Atulizado em 13 Out 2021 - 20h00

Os bancos  e carteiras digitais sofreram uma queda de downloads no mês de setembro, pela primeira vez desde 2015. Segundo dados do Bank of America, sete dos 10 maiores bancos tiveram uma baixa na base dos usuários ativos. Uma das causas da queda de crescimento é fim do dinheiro barato, influenciado diretamente por um ciclo de alta de juros na Europa e nos Estados Unidos.  

Segundo o diretor de estratégia e inovação do banco BV, Guilherme Horn, "A liquidez mundial ampliou o balão de oxigênio das várias fintechs da América Latina, inclusive de algumas que não estão indo tão bem", diz ele, e acrescenta que "Isso pode estar prestes a mudar".



Fintechs iniciam engajamento estratégico para driblar a queda. Reprodução: Tima Miroshnichenko/Pexels


Em resposta a queda, Fintechs se mobilizam para engajar e rentabilizar sua base permanente, já que não há visão de novos catalisadores para continuar apostando em crescimento. O engajamento não é apenas pensado para os clientes, como também faz parte da estratégia para convercer o mercado e os investidores que as quedas estão sendo superadas.

Os especialistas presumem que essas mudanças tende a ajuda na redução do número de concorrentes, firmando uma audiência mais conectada.

Leia Mais: Snapchat vai monetizar criadores de conteúdo

Leia Mais: Blockchain se torna objeto de estudo em universidades

Leia Mais: Apple desenvolve novo sistema que integra funções do carro ao iPhone 

Um estudo feito pela Atlantico, empresa de investimentos, estimou que subsídios em startups latinoamericanas devem superar US$20 bilhões ainda neste ano, quase quatro vez mais os resultados de 2020, sendo que 40% desses lucros vão para os bancos digitais no Brasil.

Julio Vasconcellos, sócio da Atlantico, diz que a principal percepção é de que ainda existem oportunidades em serviços não tão explorados, como e-commerce, crédito imobiliário, seguros, moedas digitais, etc. Especialistas concordam que esses espaços a serem explorados devem dar início a aparição de novos modelos de negócios financeiros digitais no Brasil.

 

 

Foto destaque: Bancos digitais sofrem queda de usuários ativos. / Reprodução: Burak Kebapci/Pexels

Deixe um comentário