Bem Estar

Anvisa recomenda terceira dose da Coronavac para idosos e profissionais da saúde

O Ministro da Saúde Marcelo Queiroga autorizou a terceira dose da vacina Coronavac em idosos e profissionais da saúde. Em contrapartida, Queiroga não divulgou nenhuma data para aplicação da dose de reforço da vacina contra covid-19.

3 min de leitura
19 Ago 2021 - 16h43 | Atulizado em 19 Ago 2021 - 16h43

Nesta quarta-feira, 18, o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse à imprensa que,  a princípio, a terceira dose da vacina Coronavac será aplicada somente em idosos e profissionais da área da saúde. Ainda não há previsão para iniciar a aplicação da terceira dose da vacina, porém, o ministro afirmou que mais dados científicos serão necessários.

 


Vacina Coronavac (Foto: Reprodução/ Governo de São Paulo)


“Estamos planejando para que, no momento que tivermos todos os dados científicos e tivermos o número de doses suficiente disponível, já orientar um reforço da vacina. Isso vale para todos os imunizantes. Para isso, nós precisamos de dados científicos, não vamos fazer isso baseado em opinião de especialista”, disse Queiroga. Marcelo também lembrou que o Ministério da Saúde recomendou um estudo para analisar estratégias para aplicação da dose de reforço em pessoas que tomaram a Coronavac. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também autorizou pesquisas sobre a terceira dose das vacinas Pfizer e Astrazeneca.

Estudo aponta aumento de casos da variante delta no estado de São Paulo em setembro

Após Chile e Uruguai, Brasil estuda aplicar terceira dose da vacina Coronavac

Covid-19: Mais de 100% dos adultos já foram vacinados na capital paulista

Recorde-se

Em recente estudo divulgado pelo laboratório Sinovac, uma terceira dose de reforço para quem já tomou as duas doses da vacina coronavac pode aumentar o nível de proteção contra a covid-19 em até cinco vezes. A vacina é produzida em parceria com o Instituto Butantan e é exportada para outros países como Chile e Uruguai, que já aderiram à terceira dose de reforço da vacina. O estudo realizado na China foi dividido em dois grupos com voluntários adultos a partir de 18 anos, incluindo idosos, com diferentes intervalos de vacinação entre a segunda e terceira dose.

O artigo da pesquisa foi publicado na plataforma MedRxiv. Nesta quarta-feira (11), durante uma coletiva de imprensa do governo de São Paulo, Dimas Covas, diretor do Insttituto Butantan, afirmou: “(...) Com duas doses existe uma imunização e, após seis meses, se receber uma dose adicional, a resposta é multiplicada de três a cinco vezes”.



(Foto destaque:  Anvisa recomenda terceira dose da Coronavac para idosos e profissionais da saúde. Reprodução/Instituto Butantan)

Deixe um comentário