Notícias

Anvisa envia parecer à Casa Civil pedindo passaporte de vacinação para Covid-19 a todos os viajantes que chegam ao Brasil

Anvisa pede que passaporte de vacinação para Covid-19 seja obrigatório para viajantes que queiram entrar no país. Medida tem a intenção de frear a a nova variane Ômicron no país, que ja tem 3 casos confirmados.

3 min de leitura
02 Dez 2021 - 12h30 | Atualizado em 02 Dez 2021 - 12h30

Após a deteccção da Ômicron, a nova variante do Coronavírus, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), tem coordenado esforços para impedir a propagação da nova variante no país. Na última quarta-feira (1), a Anvisa enviou, novamente, um novo parecer à Casa Civil do governo Jair Bolsonaro pedindo a adoção de medidas mais rígidas aos viajantes que chegam ao país. 


Viajantes chegando no Galeão (2020). (Foto:Reprodução/Fernando Frazão/Agência Brasil)


Veja o que consta no documento:

Impedir temporariamento voos com destino ao Brasil vindos de Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia. 

Exigir certificação de vacinação completa contra a Covid-19 para entrada de todos os viajantes que chegam ao Brasil.

 

https://lorena.r7.com/post/Terceiro-caso-da-Omicron-e-registrado-no-Brasil-no-estado-de-Sao-Paulo

https://lorena.r7.com/post/Regioes-brasileiras-cancelam-o-reveillon-devido-a-nova-variante-Omicron

https://lorena.r7.com/post/Depois-da-confirmacao-do-primeiro-caso-da-variante-Omicron-Japao-endurece-medidas-de-protecao


A Anvisa aponta um cenário de preocupação, porque os países do sul da África mais atingidos pela Ômicron não tem cobertura vacinal alta. E, de acordo com Agência, ao não exigir o comprovante de vacinação o país facilita a entrada de pessoas não vacinadas, que podem estar carregando o vírus. 

"Diante das restrições estabelecidas de forma global pelos demais países, a inexistência de uma política de cobrança dos certificados de vacinação pode propiciar que o Brasil se torne um dos países de escolha para os turistas e viajantes não vacinados, o que é indesejado do ponto de vista do risco que esse grupo representa para a população brasileira e para o Sistema Único de Saúde", diz a nota da Anvisa. 

"A utilização da vacinação como camada adicional de proteção fica prejudicada pela falta de uma política nacional que a considere como requisito para entrada de viajantes no país, apesar da recomendação emitida por esta agência, e pelas incerteza sobre o cenário epidemiológico", pontua a Anvisa.

A Anvisa é o orgão responsável por auxiliar e assessorar o governo. Quatro ministérios são responsáveis pelo fechamento de fronteiras no país: Ministério da justiça, Casa Civil e Infraestutura. 

No dia 26 de novembro deste ano, o diretor da Anvisa, Antonio Barra Tores já havia declarado que, "o Brasil não pode ser atraente para o turismo antivacina." Ja mostrando preocupação quanto as festas de fim de ano. Em resposta, o Ministro da Justiça, Anderson Torres, que comanda a pasta, disse que é contrário ao comprovante de vacinação para turistas. Contrariando a orientação da Anvisa. 

No entanto, os esforços da Anvisa pela adoção do passaporte de vacinação no país antecede a variante Ômicron. Desde 12 de novembro, o Orgão de vigilância pede aos ministérios e ao presidente Bolsonaro para avaliar o passaporte de vacinação, restringindo a entrada de não vacinados para o país. Mas é sempre contrariado pelo governo e seus ministros. Atualmente, o Brasil opera sem qualquer restrição na passagem das fronteiras por água, terra ou ar; sem exigência do comprovante de  vacinação aos viajantes, mesmo para países com baixa cobertura vacinal. 

Enquanto isso, o país já registrou 3 casos da variante Ômicron, na cidade de São Paulo. 

Foto Destaque: Seringa defrente Anvisa. Reprodução/Rafael Henrique/SOPA imagens. 

Deixe um comentário