Bem Estar

Alcoolismo no Brasil e o método de tratamento que recupera até 80% dos alcoólatras

Médico psiquiatra Ivan Barenboim, explica como funciona a nova abordagem de tratamento do alcoolismo, o método Sinclair. O método Sinclair é mais barato e eficaz quando comparado a outros métodos.

3 min de leitura
27 Set 2021 - 14h35 | Atulizado em 27 Set 2021 - 14h35

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Brasília em 2013 identificou que 27 milhões de brasileiros consomem o álcool de maneira exagerada. O problema se agravou ainda mais com a pandemia. De acordo com a edição especial da Global Drug Survey (GDS) sobre a Covid-19, o Brasil registrou um aumento de 13,5% no consumo de álcool em 2020. Já a pesquisa de comportamentos "Convid", realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com as universidades Federal de Minas Gerais e Estadual de Campinas, aponta para um aumento ainda maior: 18% de crescimento no consumo de álcool no país. 


Ivan Barenboim durante participação no programa "Casos de Família", do SBT. (Reprodução/ YouTube)


As consequências do alcoolismo 

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas e o alcoolismo costumam acarretar problemas profissionais, financeiros e familiares.  Além disso, podem causar graves prejuízos à saúde física e mental como acidentes automobilísticos, hepatite alcoólica, cirrose hepática, pancreatite, alguns tipos de câncer, transtornos emocionais e até demência. 

Quando procurar ajuda? 

De acordo com o Dr. Ivan Barenboim, psiquiatra especializado no tratamento do alcoolismo, o indivíduo deve se fazer quatro perguntas: 

  1. Já pensou em parar de beber por sentir que este comportamento está sendo prejudicial? 
  2. Há pessoas próximas insistindo para que reduza ou interrompa o consumo do álcool? 
  3. No dia seguinte ao consumo, costuma haver sentimento de culpa? 
  4. Acorda já com vontade de beber ou pensando em beber?

Caso responda afirmativamente a uma ou mais dessas perguntas, é preciso buscar ajuda.

Nova Zelândia aposta em parceria com redes de fast-foods para vacinação

EUA libera 3ª dose da Pfizer para idosos acima de 65 anos

Covid-19: Morte de adolescente não teve relações com a vacina

Método Sinclair: tratamento eficaz, simples e barato 

Um grande problema é que as abordagens terapêuticas tradicionais que exigem que o indivíduo se comprometa imediatamente com a abstinência têm alto índice de abandono e baixa taxa de sucesso. Diversos estudos apontam que pelo menos 40% dos alcoolistas abandonam o tratamento já no primeiro ano e que apenas de 5 a 10% deles de fato conseguem obter sucesso com este tipo de abordagem. No entanto, há uma alternativa de tratamento com taxa de sucesso bem mais animadora fundamentada nas pesquisas de um cientista finlandês chamado John David Sinclair. Ele descobriu que o alcoolismo se deve a uma disfunção numa área do cérebro chamada Sistema de Recompensa Cerebral.

Este sistema é responsável por processar experiências que geram prazer imediato como uso de drogas, álcool, sexo e comida. Pessoas com tendência genética a desenvolver o alcoolismo acabam conectando de maneira exagerada o álcool com a recompensa, gerando fissura e compulsão pela substância. Então, o foco deste tratamento é enfraquecer esta conexão disfuncional de maneira a ajudar a pessoa a voltar ter controle sobre a bebida.  De fato, pesquisas clínicas apontam que 80% dos pacientes que fazem o Método Sinclair corretamente melhoram significativamente, voltando a conseguir beber de maneira mais moderada.

Além desta alta taxa de eficácia, o Método Sinclair tem outras vantagens em relação às abordagens tradicionais:

  1. Mais simples e barato; 
  2. Não exige abstinência imediata. Por isso, a taxa de adesão é bem mais alta, enquanto a frequência de sintomas graves relacionados a crises de abstinência é bem mais baixa; 
  3. Dispensa tanto a internação quanto a frequência em grupo de ajuda.

O médico psiquiatra, Dr. Ivan Barenboim, conhecido no Brasil pela utilização desta alternativa para o tratamento do alcoolismo, explica o Método Sinclair:  ‘Consiste, basicamente, no seguinte: a pessoa toma um remédio bloqueador dos receptores de opioides toda vez que for beber. Este remédio faz com que o cérebro desaprenda o alcoolismo, pois o bloqueio da atividade dos opióides impede que o sistema de recompensa cerebral reconheça o estímulo do álcool como algo prazeroso. Dessa maneira, o cérebro desconecta o ato de beber do prazer que ele costumava trazer. Por consequência, ocorre a extinção do comportamento de dependência ou compulsão. Dessa maneira, gradualmente, a pessoa volta a ter um relacionamento normal ou, pelo menos, mais próximo do normal com o álcool’.

Ainda segundo Barenboim, o tratamento deve ser feito de maneira consistente por alguns meses para que seja efetivo. ‘Em dois meses já costuma ser possível observar os resultados iniciais, enquanto que em 4 a 6 meses, normalmente obtemos resultados robustos. Em alguns casos, no entanto, precisamos de até um ano para chegar a um resultado satisfatório. Portanto, apesar de muito eficaz, não é uma pílula mágica’. O medicamento necessário para a utilização do Método Sinclair é vendido somente sob prescrição médica pois atua no cérebro. Todavia, não apresenta riscos significativos, não causa dependência nem provoca alterações no estado de consciência. 

Como ter acesso ao Método Sinclair no Brasil

A maneira mais simples e barata é participando da Comunidade Brasil Contra o Alcoolismo criada pelo Dr. Ivan Barenboim para facilitar o acesso dos brasileiros a esta nova abordagem de tratamento do alcoolismo. Para mais informações, clique aqui.

Deixe um comentário