Notícias

‘A decisão está tomada: não haverá carnaval em 2022, na Bahia’, afirma Rui Costa

A propagação da covid-19 e da gripe torna inviável a realização do carnaval em 2022 no 'modelo tradicional', com milhões de pessoas, segundo o governador da Bahia

3 min de leitura
24 Dez 2021 - 11h10 | Atualizado em 24 Dez 2021 - 11h10

Rui Costa (PT), governador do estado da Bahia, anunciou em suas redes sociais nesta quinta-feira (23) o cancelamento do carnaval nos municípios baianos em 2022.  Segundo Costa, o atraso na vacinação contra a Covid-19, a nova epidemia de gripe e a sobrecarga das unidades de saúde são os principais fatores para a tomada da decisão.

Em evento de inauguração da nova emergência do Hospital Roberto Santos e assinatura da ordem de serviço para ampliação do Hospital da Mulher, em Salvador, no dia 23, o gestor aproveitou a oportunidade para deixar claro que o Carnaval "no modelo que conhecemos" não será autorizado na capital, e em todo o estado. Ele se referiu à realização da festa com milhões de pessoas como “absolutamente impossível”.

https://lorena.r7.com/post/Operacao-Reveillon-e-Verao-2022-e-anunciada-pelo-governo-de-SP

https://lorena.r7.com/post/Rio-esta-em-estagio-de-atencao-apos-chuva-do-dia-anterior-ha-nova-previsao-de-temporal

https://lorena.r7.com/post/Oito-estados-continuam-com-problemas-de-transparencia-nos-dados-da-Covid-19-apos-ataque-hacker


Precisamos ter responsabilidade com a saúde e a vida das pessoas. Realizar o carnaval no modelo tradicional, como uma festa em larga escala, se mostra inviável. Mais pra frente avaliaremos o que pode ser feito e em que condições”, disse Rui Costa.

Na Bahia, por volta de 2 milhões de pessoas não completaram o ciclo vacinal com duas doses do imunizante contra o Coronavírus. Quando incluídos aqueles que deveriam tomar a terceira dose, o número é de aproximadamente 3 milhões de pessoas.

O governador declarou que irá discutir com as prefeituras quais são as alternativas que podem ser tomadas e recursos que poderão ser utilizados para minimizar o impacto social e econômico às pessoas que têm renda vinculada à festa e tiram dela o seu sustento.

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), no início desse mês, informou que a decisão da prefeitura seguiria a do governo do estado. "Não há como tomar essa decisão diante do cenário de incertezas, e a gente informou que deixaria chegar ao máximo a data limite, para que a gente pudesse ter uma segurança maior para tomar essa decisão", disse na época. O secretário municipal de cultura  e turismo, Fábio Mota, também afirmou que a decisão do governo da Bahia, na prática, significa o cancelamento da festa também na capital. Segundo Mota, “sem a Polícia Militar, é impossível ter o carnaval”.


Cantor Bell Marques no carnaval de 2020 ( Foto: Reprodução/Afredo Filho/Secom)


Contudo, diversos artistas e empresários já haviam se posicionado contra o carnaval na capital, ao não disponibilizarem seus trios para o período, como Bell Marques e Gilberto Gil.

Outros empresários, porém, devem realizar festas privadas, pois o decreto da pandemia no estado da Bahia permite festas com até 5 mil pessoas, mediante a exigência de comprovação do ciclo completo da vacinação.

 

Foto destaque: Carnaval na Bahia. Reprodução/Valter Pontes/Agecom

Deixe um comentário