Esportes

Confira na íntegra comunicado da Anvisa sobre Brasil x Argentina

Após agentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) entrarem no campo da Neo Química Arena e interromperem o jogo entre Brasil e Argentina, comunicaram em seu site que notificaram a Polícia Federal sobre o caso.

3 min de leitura
07 Set 2021 - 18h57 | Atulizado em 07 Set 2021 - 18h57

Após agentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) entrarem no campo da Neo Química Arena e interromperem o jogo entre Brasil e Argentina aos cinco minutos da primeira etapa de bola rolando, por motivo de  quatro jogadores argentinos estarem de forma irregular em campo, estando três deles na equipe titular e um na arquibancada.

A Anvisa, através de seu site, comunicou que, na manhã do dia da partida, no último domingo (5), notificaram a Polícia Federal sobre a irregularidade dos atletas e até o apito inicial, tentou formas para que a quarentena fosse respeitada. Porém, "as tentativas foram frustradas, desde a saída da delegação do hotel e mesmo em tempo considerável antes do início do jogo, quando a Anvisa teve sua atuação protelada já nas instalações da arena de Itaquera".


Agente da Anvisa invade Neo Química Arena aos cinco minutos do primeiro tempo. Foto: Reprodução/Jogada10.com.brAgente da Anvisa invade Neo Química Arena aos cinco minutos do primeiro tempo. Foto: Reprodução/Jogada10.com.br


Confira a nota na íntegra:

"Desde a tarde deste sábado (4/9), a Anvisa, em reunião ocorrida com a participação de representantes da CONMEBOL, CBF e da delegação argentina recomendou a quarentena dos quatro jogadores argentinos, ante a confirmação de que os jogadores prestaram informações falsas e descumpriram, inequivocamente, a Portaria Interministerial nº 655, de 2021, a qual estabelece que viajantes estrangeiros que tenham passagem, nos últimos 14 dias, pelo Reino Unido, África do Sul, Irlanda do Norte e Índia, estão impedidos de ingressar no Brasil.

Neste domingo, pela manhã, a Anvisa acionou a Polícia Federal a fim de que as providências no âmbito da autoridade policial fossem adotadas de imediato.

No exercício de sua missão legal, a Anvisa perseguiu, desde o primeiro momento, o cumprimento à legislação brasileira, que, nesse caso, se restringia à segregação dos quatro jogadores envolvidos e a adoção das medidas sanitárias correspondentes.

Desde o instante em que tomou conhecimento da situação irregular dos jogadores – no mesmo dia da chegada da delegação - a Anvisa comunicou o fato às autoridades brasileiras em saúde, por meio do CIEVS – o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde.

Por força dessa comunicação, ainda na tarde do sábado, ocorreu a reunião já referida envolvendo o Ministério da Saúde, secretaria estadual de saúde de São Paulo, representantes da CONMEBOL, CBF e da delegação argentina. Nessa reunião, a Anvisa, em conjunto com a autoridade de saúde local, determinou, no curso da reunião, a quarentena dos jogadores.

Cabe esclarecer que os jogadores entraram no Brasil às 8h do dia 3/9, prestando informações falsas. Neste mesmo dia, a Anvisa identificou que as informações eram falsas e ainda na noite do dia 3/9, a Anvisa notificou o CIEVS, atualizou as autoridades de Saúde (Ministério da Saúde e a Secretaria de Saúde de São Paulo).

No dia 4/9, às 17h, foi realizada a reunião com as instituições envolvidas, na qual a Anvisa e autoridade saúde de São Paulo informaram a contingência de quarentena. No entanto, mesmo depois da reunião e da comunicação das autoridades, os jogadores participaram de treinamento na noite do sábado.

Na manhã deste domingo, a Anvisa notificou a Polícia Federal, e até a hora do início do jogo envidou esforços, com apoio policial, para fazer cumprir a medida de quarentena imposta aos jogadores, sua segregação imediata e condução ao recinto aeroportuário. As tentativas foram frustradas, desde a saída da delegação do hotel, e mesmo em tempo considerável antes do início do jogo, quando a Anvisa teve sua atuação protelada já nas instalações da arena de Itaquera.

A ação da Anvisa, em síntese, se limitou a buscar o cumprimento das leis brasileiras, o que se limitaria à segregação dos jogadores e as suas respectivas autuações.

A decisão de interromper o jogo nunca esteve, nesse caso, na alçada de atuação da Agência. Contudo, a escalação de jogadores que descumpriram as leis brasileiras e as normas sanitárias do país, e ainda que prestaram informações falsas às autoridades, essa assim, sim, exigiu a atuação da Agência de estado, a tempo e a modo".

https://lorena.r7.com/colunista/Andre-Luiz/post/De-onde-vem-o-dinheiro-do-Atletico-MG-mesmo-devendo-valor-astronomico

https://lorena.r7.com/colunista/Andre-Luiz/post/Entenda-como-o-Corinthians-arrecadou-milhoes-em-apenas-2-horas

https://lorena.r7.com/colunista/Andre-Luiz/post/GP-da-Belgica-chuva-paralisa-a-prova-Max-Verstappen-ganha-sem-dar-uma-volta-e-encosta-em-Hamilton-na-lideranca

A Conmebol, entidade do futebol sul-americano, comunicou em nota que o árbitro e o comissário da partida irão enviar um relatório ao Comitê Disciplinar da FIFA, que será quem vai decidir os próximos passos a serem seguidos em uma nova realização do jogo ou uma punição a seleção argentina. 

 

 

(Foto destaque: Confira na íntegra comunicado da Anvisa sobre Brasil x Argentina. Reprodução/Alexandre Schneider/Getty Images)

Deixe um comentário