Tech

TikTok supera YouTube nos EUA e no Reino Unido

Aplicativo chinês de compartilhamento de vídeos curtos, TikTok, supera Youtube no tempo médio de visualização nos EUA e no Reino Unido, de acordo com o App Annie.

3 min de leitura
14 Set 2021 - 23h10 | Atulizado em 14 Set 2021 - 23h10

Recentemente, uma pesquisa realizada através do App Annie, uma das plataformas de análise e dados mobile mais confiáveis do mundo, revelou que o aplicativo chinês TikTok, também conhecido como Douyin, ultrapassou o YouTube na média de tempo visualização não só nos Estados Unidos da América como também no Reino Unido.

Ainda que ambas as redes trabalhem com vídeos, enquanto a plataforma americana, YouTube, fundada em 2005 e vendida em 2006 para a Google, permite o compartilhamento de vídeos mais extensos, o TikTok, lançado em 2016, possibilita não só a criação como também o compartilhamento de vídeos curtos, de maneira quase instantânea.

Ainda que o YouTube mantenha a liderança no que diz respeito ao tempo total destinado a redes sociais, o aumento do consumo dos conteúdos do TikTok mostra a força dos vídeos mais curtos e das lives, geralmente voltados única e exclusivamente para a “diversão”.

Enquanto no Reino Unido a preferência por vídeos curtos é gritante, cerca de 64%, nos Estados Unidos a diferença entre o YouTube e o TikTok é mais tênue, com direito a alternância mensal desde agosto do ano anterior.


Legenda: TikTok e Youtube alternam, mensalmente, nos EUA (Reprodução/App Annie) 


Em 2020, por exemplo, o Douyin foi o aplicativo mais baixado no mundo, superando até mesmo o Facebook.

Votação de leilão do 5G é adiada novamente pela Anatel

TikTok lidera ranking de aplicativos mais baixados de agosto

Óculos inteligentes com design discreto são a nova aposta do Facebook e da parceira Ray-ban

Vale lembrar também que, recentemente, a plataforma de vídeos americana criou um formato de vídeos curtos e o “apelidou” de Shorts. O objetivo principal da criação era competir com o TikTok e, para pressionar a rede social “rival”, o YouTube também anunciou que disponibilizaria cerca de R$ 5,1 milhões para a monetização dos conteúdos e compensação de seus respectivos criadores.

O TikTok, por sua vez, não só respondeu os novos investimentos do YouTube com um aumento do tempo “limite” dos vídeos – passando de 30 segundos para três minutos – como também resolveu liberar novos recursos para o aplicativo chinês, como lives compartilhadas, moderadores e enquetes.  

 

(Foto destaque: TikTok, também conhecido como Douyin, supera Youtube no tempo médio de visualização. Pexels)

Deixe um comentário