Notícias

Supremo Tribunal Federal acolhe pedido feito pela Procuradoria-Geral da República e torna Eduardo Cunha inelegível novamente

A decisão foi tomada pelo ministro Luiz Fux em resposta ao pedido feito pela Procuradoria-Geral da República. Sendo assim, o ex-presidente da Câmara não poderá disputar eleições em outubro deste ano.

3 min de leitura
19 Ago 2022 - 10h00 | Atualizado em 19 Ago 2022 - 10h00

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, suspendeu a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) que havia afastado a inelegibilidade de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados. Com isso, o ex-deputado não poderá se candidatar nas próximas eleições.


Presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux. (Foto: Reprodução/VEJA)Presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux. (Foto: Reprodução/VEJA)


A decisão de Luiz Fux acontece em decorrência do acolhimento de um pedido feito pela Procuradoria-Geral da República, após a defesa do ex-presidente da Câmara dos Deputados ter conseguido, junto ao TRF-1, decisão de antecipação de tutela para suspensão dos efeitos da inelegibilidade.

Na avaliação de Augusto Aras, procurador-geral da República, a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região colocava em risco a segurança jurídica, a instabilidade institucional, a confiabilidade nas instituições, a paz social e a própria democracia.


Procuradoria-Geral da República. (Foto: Reprodução/Agência Brasil)Procuradoria-Geral da República. (Foto: Reprodução/Agência Brasil)


Eduardo Cunha teve seu mandato cassado pela Câmara dos Deputados em 2016 por quebra de decoro parlamentar, após denúncias de ter ocultado a existência de contas bancárias no exterior, e por ter mentido sobre a existência delas durante depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou a Petrobras.


Eduardo Cunha está novamente inelegível. (Foto: Reprodução/Agência Brasil)Eduardo Cunha está novamente inelegível. (Foto: Reprodução/Agência Brasil)


Diante da decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que daria a Eduardo Cunha o direito de candidatar-se nas eleições de 2022, a Procuradoria-Geral da República apresentou, então, uma Suspensão de Tutela Provisória (STP), sob o argumento de que a decisão do TRF-1 interfere em atos de natureza interna corporis da Câmara dos Deputados.

Um outro argumento apresentado foi o de que “o ajuizamento da ação por Cunha próximo às eleições teria sido utilizado para criar um risco artificial de ofensa a seus direitos políticos para poder concorrer no pleito”, informou o Supremo Tribunal Federal.

Na decisão, o ministro Luiz Fux observou que a decisão do TRF-1 foi fundamentada em uma “aparente violação” a regras do Regimento Interno e do Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados.

Fux, no entanto, acrescentou que o Supremo já tem jurisprudência sedimentada “no sentido de ser restrito o controle judicial sobre os atos interna corporis do Poder Legislativo, relacionados à interpretação de regras regimentais”, caso não tenham “paralelo claro e expresso na própria Constituição Federal, sob pena de violação ao postulado da separação de Poderes”.

Já havíamos noticiado sobre o pedido feito pela Procuradoria-Geral da República e que, provavelmente, a reposta seria dada pelo STF, até no máximo, ainda nesta sexta-feira (19).

 

 

Foto destaque: Fachada do Supremo Tribunal Federal, em Brasília. Reprodução/Poder360

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo