Saúde

Rinossinusite Crônica: doença pode submeter o paciente a vida de múltiplas cirurgias

Essa doença pode submeter o paciente a uma vida de múltiplas cirurgias. No entanto, diversas abordagens estão sendo estudadas como possíveis alternativas de tratamento.1

3 min de leitura
26 Dez 2022 - 19h50 | Atualizado em 26 Dez 2022 - 19h50

Sabe quando você está com congestão nasal ou coriza constante? Quando sente dor e pressão facial com sensação de peso no rosto, além da redução ou perda de olfato e paladar? Então, esses sintomas podem perdurar por mais de 12 semanas e estarem associados à Rinossinusite Crônica, com ou sem pólipo nasal.2 A Polipose Nasal é caracterizada como um crescimento anormal de tecido no revestimento do nariz, que se assemelha a pequenas uvas ou lágrimas, que se desenvolvem, na maioria das vezes, nos seios paranasais, podendo se estender para o nariz.3 

A Rinossinusite Crônica é um importante problema de saúde que pode afetar até 12% da população geral.Aqui no Brasil, somente na cidade de São Paulo, dados mostram que cerca de 5,51% dos habitantes sofrem com essa doença.5 Quando falamos especificamente de pólipos nasais, o que se sabe é que eles são mais frequentes em pessoas que já possuem problemas respiratórios, como portadores de asma, sinusite, rinite alérgica e fibrose cística.4 

A rinossinusite crônica com pólipo nasal (RSCcPN) está muito relacionada à asma. Dos pacientes com RSCcPN, entre 40% a 67% têm asma e entre 57% a 62% destes têm o tipo grave da doença.6. Um segundo estudo realizado em pacientes com Rinossinusite Crônica com Pólipo Nasal de um Hospital em Portugal mostrou que 20,4% destes apresentavam também intolerância a algum tipo de anti-inflamatório.No entanto, existem casos em que os pólipos surgem sem qualquer tipo de histórico de alterações no sistema respiratório, podendo até estar relacionado a uma tendência hereditária.3

Segundo Marcio Nakanishi, doutor em otorrinolaringologia pela Universidade de São Paulo (USP) e especialista na Universidade de Brasília, “o primeiro passo para descobrir a doença é a realização de uma endoscopia nasal. O segundo passo é fazer o diagnóstico correto da causa da doença para indicar o tratamento mais adequado”, esclarece o médico.

Classificação da doença
Em 2020, a European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps (EPOS) se posicionou quanto à nomenclatura a ser utilizada para diferenciação dos tipos de Rinossinusite Crônica (RSC). A partir de então, a Rinossinusite Crônica com Pólipo Nasal também é conhecida como Rinossinusite Crônica Primária Difusa Tipo 2, uma enfermidade que possui sinais clínicos e sintomas característicos.2 

Tratamento
Com o avanço dos estudos científicos, hoje em dia já se sabe que o uso de corticoides sistêmicos em doses elevadas está associado a uma série de efeitos colaterais graves como diabetes, obesidade, hipertensão e osteoporose.8 Felizmente, segundo a EPOS, atualmente já existem algumas alternativas para o tratamento da RSCcPN, como os imunobiológicos, que são medicamentos alvo específicos utilizados para tratar a doença e diminuir a incidência de novas cirurgias em pacientes adultos.2 

As pessoas com Rinossinusite Crônica com Pólipo Nasal geralmente são aquelas que começam a ter sintomas tardios da asma, entre 30 e 50 anos, que respondem bem aos corticoides orais, mas também apresentam intolerância a algum anti-inflamatório.1

“Além de três desses critérios clínicos citados, o paciente ainda precisa apresentar ao menos um dos biomarcadores, que são: eosinofilia sérica ou tecidual, ou aumento do anticorpo IgE. Esses sintomas, associados a um biomarcador, já caracterizam a rinossinusite crônica com pólipo nasal do tipo 2, e sendo grave e não controlada, já podem permitir a indicação do imunobiológico como tratamento.”, explica o Dr. Marcio.

O uso de medicamentos biológicos para o manejo da Rinossinusite Crônica com Pólipo Nasal aumenta o arsenal terapêutico para o controle da doença.2

“Levar para o paciente uma opção nova e segura para tratar a Rinossinusite Crônica é promover a oportunidade de respirar melhor, é oferecer qualidade de vida relacionada à saúde, sem que os doentes dependam de medicamentos que causem efeitos colaterais ao longo do tempo ou até mesmo de cirurgias, que, em muitos casos, resolvem durante um período, mas não cessam a doença”, conclui o médico.

Foto Destaque: Reprodução

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo