Notícias

Mulher trans é espancada em Belo Horizonte

Um grupo de pelo menos quatro homens cometeu o crime no bairro de São Cristóvão, em Belo Horizonte. A vítima, identificada como Cristal, saiu do local extremamente ferida.

3 min de leitura
29 Dez 2022 - 15h42 | Atualizado em 29 Dez 2022 - 15h42

Uma mulher trans foi espancada por pelo menos quatro homens ao sair de seu trabalho. A vítima tem 34 anos, é faxineira e estava saindo de uma das casas na qual trabalha quando foi, de repente, abordada, agredida verbal e fisicamente pelo grupo.

Segundo fontes, a mulher foi abordada nas redondezas do Conjunto IAPI e iniciou-se uma série de ataques verbais a ela. Entretanto, como a vítima pareceu “não se importar” com os ataques e não tomou nenhuma atitude reativa, os agressores resolveram partir então para uma atitude mais drástica: o espancamento.

A advogada da vítima, Cristiane Marra, disse que foram ditas frases como “você não deveria existir”, "você é uma aberração da natureza", "você deveria morrer" e uma série de ataques verbais e extremamente preconceituosos. Cristal, suposta identidade da vítima, não conhece os agressores e costuma frequentar e trabalhar nessa região com tranquilidade, de acordo com Cristiane.

Segundo relatos, a vítima saiu do local com muitos machucados e a boca sangrando após receber inúmeros chutes e socos violentos na cabeça e em diversas outras partes do corpo. 

Para o programa Em Ponto, da GloboNews, Cristal disse que seu maior medo é “ser morta. Ser mais uma vítima e ficar por isso mesmo”. O Brasil é o país que mais mata pessoas trans e, por isso, o medo de Cristal é totalmente compreensível.


Cristal relata espancamento (Foto: Reprodução/GloboNews)


Três dias depois do ocorrido, foi feito um boletim de ocorrência e exame de corpo delito. Cristiane, a advogada, disse que as investigações estão só no início, porém, ela tem vídeos da agressão e testemunhas para que os agressores não saiam impunes.

A homofobia e transfobia são crimes no Brasil desde junho de 2019. A pena pode ser de até três anos de reclusão, além do pagamento de multa para quem comete atos preconceituosos contra pessoas trans ou homossexuais.

 

Foto: Mulher trans sendo agredida em BH - Reprodução/Redes Sociais

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo