Saúde

Medicamentos tem alta de 20% nos preços na região metropolitana de Campinas

Pesquisa do IPC Maps aponta aumento de despesas com medicamentos, além de produtos de farmácia, planos de saúde e odontológico, entre outros tipos de serviços médicos.

3 min de leitura
15 Dez 2022 - 10h20 | Atualizado em 15 Dez 2022 - 10h20

Os gastos com saúde na região metropolitana de Campinas tiveram um aumento de 20% em 2022, é o que aponta o Índice de Potencial Consumo (IPC) Maps, pesquisa que a apresenta o detalhamento do potencial de consumo em mais de vinte categorias de produtos, em mais de cinco mil municípios do país.

Segundo o índice, esse número está relacionado a medicamentos, produtos de farmácia, como curativos, e também planos de saúde e odontológico, além de outros serviços médicos.

A alta de preços é sentida, principalmente, pela população de baixa renda, que possuem menor poder aquisitivo.

Em 2021 o gasto médio com saúde no país foi de R$ 7,1 bilhões, já em 2022 esse número passou a ser de R$ 8,5 bilhões, como aponta a pesquisa.


A população mais afetada pela alta dos preços são as famílias com menor poder aquisitivo (Foto: Reprodução/Freepik/Internet)


Cenário nacional

Ainda conforme o IPC Maps, o setor de saúde deve movimentar no país, até o fim do ano, cerca de R$ 348,3 bilhões, um acréscimo de 11% em relação a 2021.

Somente os gastos com plano de saúde e outros tratamentos devem ser responsáveis por cerca de R$ 180 bilhões desse valor, já os medicamentos devem somar a quantia de R$ 168,3 bilhões em 2022.

Segundo especialistas, o aumento do desemprego durante a pandemia e o crescimento no número de pessoas idosas no país, são os principais fatores para esse aumento, uma vez que pessoas sem emprego tendem a recorrer a planos de saúde individuais, para não ficar sem amparo, e os idosos acabam consumindo um número maior de medicamentos e despendendo de mais cuidados médicos.

Farmácias em queda

Apesar do aumento expressivo no setor da saúde, as farmácias vivem o oposto disso. De 2021 a 2022, mais de 8 mil unidades fecharam as portas no Brasil, esse número representa cerca de 6,4%. Atualmente o país conta com 118.221 farmácias.

Foto destaque: A população mais afetada pela alta dos preços são as famílias com menor poder aquisitivo (Reprodução/Freepik/Internet)

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo