Notícias

Mãe de criança com rosto tatuado em desconhecido sem autorização entra com ação na Justiça do Rio

"Alguém precisa me dar uma resposta. Sou a mãe do Ayo." diz Preta Lagbara, que tenta contato com homem que tem o rosto de seu filho tatuado, sem sua autorização, desde 27 de outubro

3 min de leitura
22 Dez 2022 - 10h19 | Atualizado em 22 Dez 2022 - 10h19

A mãe do menino que teve o rosto tatuado no corpo de uma pessoa desconhecida sem autorização, Ayo, de 4 anos, entrou com uma ação na Justiça contra o tatuador responsável pelo procedimento, Neto Coutinho e contra a organização do evento Tattoo Week. O objetivo de Preta Lagbara é descobrir a identidade da pessoa tatuada. O trabalho, garantiu ao tatuador o segundo lugar na categoria Portrait na competição do evento, que aconteceu em São Paulo, em outubro deste ano. 

“Achei que conseguiria contato com o tatuado. Queria muito explicar para ele o quanto a remoção dessa tatuagem é importante para mim. Acredito que para ele não seria um problema remover. Tentei de todas as formas, tanto com a Tattoo Week, quanto com o Neto (Coutinho)”, disse Preta.

A empresária ainda questionou o fato de ser impedida de ter o contato com o homem que tem o rosto de seu filho tatuado, “Não faz sentido nenhum um homem estar com o rosto do meu filho no corpo. Como posso ser impedida de ter qualquer tipo de contato com esse homem, de olhar nos olhos dele e pedir, implorar, para que ele renova a tatuagem, cubra, faça outra arte por cima? Alguém precisa me dar uma resposta. Sou a mãe do Ayo.”

Para Djeff Amadeus, advogado que representa Preta Lagbara, a ação tem relação com uma determinação da Anvisa, que exige que pessoas tatuadas em eventos desse tipo sejam identificadas através de uma ficha cadastral. “A Tattoo Week e o tatuador Neto Coutinho sabem quem é o tatuado, têm todas as informações sobre ele, mas não querem ajudar uma mãe que gostaria de fazer um pedido a ele para que cobrisse a imagem do filho dela”, declarou o advogado.


Registro de ocorrência de Preta Lagbara, após receber comentários racistas em suas redes. (Foto/Reprodução G1)


Além disso, após sofrer ofensas racistas ao expor o caso do filho na internet, Preta Lagbara, registrou queixa na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), “As pessoas podem até não concordar com a minha posição, mas elas não podem ser cruéis, ofensivas. Então que paguem e seja responsabilizada por seus atos. É preciso mostrar que internet não é terra de ninguém. Que não pode pegar foto do filho dos outros no Pinterest e tatuar, que não pode ofender as pessoas, nem a religião de ninguém”, disse.

Caso Ayo
Durante a convenção de tatuagem Tattoo Week, realizada em São Paulo, em outubro deste ano, o tatuador, ganhador de dois prêmios, foi denunciado por usar a foto de um menino negro sem autorização do fotógrafo responsável pela imagem e dos pais da criança.

Através de suas redes sociais, a mãe do menino, soube, por meio de um internauta sobre a tatuagem do rosto do filho no corpo de uma pessoa desconhecida. 

Foto Destaque Foto de Ayo usada como referência e tatuagem com o rosto do menino. Reprodução/Ronald Santos Cruz (à esquerda) e reprodução de Instagram (à direita)

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo