Notícias

Jair Bolsonaro é acusado pela PF por vazar informações sigilosas

Presidente Jair Bolsonaro é acusado pela Polícia Federal por vazar informações sigilosas. O condutor do Brasil insiste na questão de que as urnas eletrônicas não são seguras para votação.

3 min de leitura
29 Jan 2022 - 09h16 | Atualizado em 29 Jan 2022 - 09h16

Conforme a Polícia Federal o presidente Jair Bolsonaro teve "atuação direta, voluntária e consciente", na prática do crime de violação de sigilo funcional, que seria a divulgação de documentos sigilosos aos quais teve aceso em função de seu cargo, em conjunto com o deputado bolsonarista Filipe Barros (PSL-PR). Durante uma transmissão ao vivo o presidente Jair Bolsonaro vazou informações de um inquérito da PF sobre um ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele atacou a credibilidade das urnas eletrônicas, embora não houvesse relação do ataque com o funcionamento das urnas.



O presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Reprodução/Nelson Almeida/AFP)


"Os elementos colhidos apontam também para a atuação direta, voluntária e consciente de FILIPE BARROS BAPTISTA DE TOLEDO RIBEIRO e de JAIR MESSIAS BOLSONARO na prática do crime previsto no artigo 325, §2°, c/c 327, §2°, do Código Penal brasileiro, considerando que, na condição de funcionários públicos, revelaram conteúdo de inquérito policial que deveria permanecer em segredo até o fim das diligências, ao qual tiveram acesso em razão do cargo de deputado federal relator de uma comissão no Congresso Nacional e de presidente da república, respectivamente, conforme hipótese criminal até aqui corroborada", escreveu a delegada Denisse Dias Ribeiro.

No documento, que estava sob sigilo até ontem, a PF pediu autorização para tomar o depoimento do presidente. Esse depoimento ocorreria nesta sexta-feira (28), por ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, mas Bolsonaro não compareceu ao ato marcado. O relatório parcial teria sido enviado em novembro pela Polícia Federal ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Morais. 



O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/ADRIANO MACHADO/REUTERS)


O tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, ajudante de ordens da Presidência, foi indiciado pelo mesmo crime. "Determino: a) O indiciamento de MAURO CESAR BARBOSA CID pela prática do crime previsto no artigo 325, §2°, c/c 327, §2°, do Código Penal brasileiro, considerando que, na condição de funcionário público, revelou conteúdo de inquérito policial que deveria permanecer em segredo até o fim das diligências (...), ao qual teve acesso em razão do cargo de Chefe Militar da Ajudância de Ordem da Presidência da República, conforme hipótese criminal até aqui corroborada", escreveu a PF.



Foto destaque: Presidente Jair Bolsonaro (PL) teve o depoimento à PF determinado pelo ministro do STF Alexandre de Moraes. (Foto: Reprodução/SERGIO LIMA/AFP)

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo