Money

Investidores requerem padrões para produtos financeiros sustentáveis

Com a alta sofrida em 2020, o mercado de ativos ESG é cada vez mais a escolha favorita dos que desejam realizar aplicações, mas os investidores esperam pelo estabelecimento de regras que os auxiliem durante o processo.

3 min de leitura
09 Ago 2021 - 16h29 | Atulizado em 09 Ago 2021 - 16h29

Nos últimos tempos, a sustentabilidade tem se tornado um assunto recorrente e de extrema relevância dentro da sociedade. Isso influencia os mais variados grupos, incluindo os investidores, que estão buscando cada vez mais realizar aplicações sustentáveis. 

 

A prática não deve ser vista com espanto, visto que é notória a necessidade de se manter um equilíbrio entre o ser humano e a natureza em todas as suas interações, inclusive naquelas pertencentes à esfera financeira. Entretanto, para aqueles que já trouxeram o teor de sustentabilidade aos seus rendimentos resta uma dúvida: Como saber se um investimento realmente é sustentável? 

 

Mensurar se um investimento sustentável desempenha, de fato, a sua função é uma tarefa difícil. Por isso, é comum que os interessados neste tipo de aplicação procurem e verifiquem por eles mesmos a efetividade de seus investimentos. 

 

Segundo uma pesquisa realizada pela Bloomberg, o mercado de ativos ESG, ou seja, que segue critérios e valores ambientais, sociais e de governança, é estimado, globalmente, em mais de 30 milhões de dólares. Até 2025, o setor deve chegar a cerca de 53 trilhões de dólares, equivalente a mais de um terço do total de ativos de investimentos.

 

Neste segmento, a Europa foi quem liderou a vibe global de busca por investimentos ESG e, portanto, não é a toa que seja encarregada por aproximadamente metade dos ativos sustentáveis presentes ao redor do mundo.

 

Venezuela cortará cerca de seis zeros em sua moeda para evitar o aumento da inflação

 

Com inovações ousadas construtora mineira encara gigantes em São Paulo

 

Empresários brasileiros tem grande perda no mês de julho

 

Efeito de greenwashing 

 


Empresam usam Fake News para atrair investimentos (Jonh Iglar/Pixabay)


 

Num panorama ideal, as empresas deveriam realizar uma pesquisa de coleta de dados séria e completa a fim de compreender melhor o real impacto do seu produto no meio ambiente. Infelizmente, a grande maioria das organizações não se importa em prezar pela veracidade de seus atos e falas e adotam estratégias que vão totalmente contra ao que dizem fazer.

 

Greenwashing, em português lavagem verde, é uma prática muito utilizada pelas empresas que desejam passar uma falsa imagem de responsabilidade ambiental, sem necessariamente colocá-la em prática, usando artifícios como propagandas, expondo assim informações enganosas sobre o impacto positivo de suas ações.

 

Com isso, tornou-se bastante difícil para os investidores perceberem quando as organizações estão se utilizando do greenwashing ou são tão verdadeiramente ecológicas quanto aparentam. De acordo com um levantamento feito pela Quilter Investors, o greenwashing foi a principal preocupação de cerca de 44% dos investidores participantes. 

 

No que diz respeito a estabelecer padrões para os investimentos ESG, a Europa larga na frente dos Estados Unidos e de diversos outros países do mundo devido, principalmente, a implementação do Regulamento para Divulgação de Finanças Sustentáveis, SFDR na sigla em inglês, que foi introduzido em março deste ano e definiu regras as quais os gestores devem seguir, com foco em avaliar e comunicar as características sustentáveis de seus respectivos produtos financeiros.

 

Assim, a intenção é garantir que as empresas não apresentem informações ilegítimas sobre sustentabilidade com a finalidade de impulsionar seus fundos de investimentos.

 

"O SFDR efetivamente redefiniu o padrão do que pode ser chamado de investimento sustentável, referindo-se a apenas um subconjunto do que costumava ser incluído”, afirma O’Connor, presidente da Aliança Global de Investimento Sustentável (GSIA)

 

Apesar de sofrer algumas críticas por contribuir com a desorganização da classificação dos fundos, não há como negar que se fazia obrigatório a criação de critérios que levassem mais transparência ao mercado.

 

(Foto destaque: Nattanan Kanchanaprat/Pixabay)

Deixe um comentário