Notícias

Heineken contrata 2,5 mil funcionários e foca em mais mulheres no comando de caminhões

A meta é que o grupo Heineken tenha 50% dos cargos de liderança ocupados por mulheres, até 2026. Com essa contratação e a distribuição própria de suas cervejas, mais mulheres foram contratadas, chegando a 30% desses cargos.

3 min de leitura
05 Jan 2022 - 13h02 | Atualizado em 05 Jan 2022 - 13h02

O Grupo Heineken, após assumir a distribuição própria das cervejas, precisou contratar cerca de 2,5 mil pessoas para o comando dos caminhões. Assim, visando uma maior diversidade de gênero, a empresa contratou diversas mulheres para o cargo.

Segundo a Vice Presidente de Recursos Humanos da Heineken, Raquel Zaggi, a oportunidade de contratar mais pessoas também serviu para investir na maior diversidade dentro da empresa. Antes, a média de contratação de mulheres era de 11%, mas, após o preenchimento dessas vagas, a taxa subiu para 25%. Além disso, dos contratados, 44% são pessoas negras, sendo 24% para cargos de chefia.

"Quando a gente foi abrir as vagas para motorista de empilhadeira e caminhão, a gente abriu para pessoas que não tinham carteira de motorista dessa categoria. Com isso conseguimos atrair mulheres. Você tem o perfil da Heineken e os valores da Heineken? Beleza. Dirigir caminhão a gente consegue te ensinar", pontuou Raquel.


Para Raquel, a marca precisa estar atenta as diferenças entre os gêneros em termos de aspiração de carreira, anseios e necessidades. (Foto:Divulgação/Omar Paixão/Você RH)


A ideia de maior diversidade de gênero dentro da empresa não é recente. Em 2021, a Heineken divulgou o compromisso em atingir 50% de cargos de liderança ocupados por mulheres, até 2026. Hoje, a taxa é de 30%.

Distribuição própria

O grupo Heineken distribuir as próprias cervejas é algo recente. Até 2021, a empresa usava os caminhões da Coca-Cola para o transporte de seus produtos.

Para o presidente do Grupo, Maurício Giamellaro, essa nova fase vai auxiliá-los em um maior engajamento com os vendedores: "Você precisa ser dono do seu destino quando você tem um negócio do tamanho do nosso. Vamos ser cervejeiros falando com pontos de venda cervejeiros. Dá para Coca-Cola fazer isso? Dá. Mas foco vale muito no nosso negócio. A gente cresceu e saiu de casa", brincou.

Essa maior liberdade da marca, segundo Mauro Homem, diretor de Comunicação Corporativa é essencial para uma melhor comunicação da empresa com o seu público:

"Antes as marcas podiam se comunicar individualmente, mas não existiam campanhas corporativas do Grupo Heineken. Agora temos. Antes não tinha Eisenbanh e Heineken juntas na mesma imagem, por exemplo. É o mesmo Grupo Heineken, mas agora com a força de "casa". A maioria das pessoas não sabe que Eisenbahn e Amstel são da Heineken", explicou.

 

Foto Destaque: Para o CEO da empresa “sem a representação feminina dentro da Heineken, a mulher consumidora não se sentirá representada”. Créditos: Heineken/Reprodução

LEIA MAIS

Deixe um comentário