Saúde

Crise na pesquisa de antibióticos pode prejudicar combate a superbactérias

O desenvolvimento da resistência a antibióticos e a falta de medicações eficientes provoca atualmente por volta de 5 milhões de óbitos no mundo ao ano

3 min de leitura
27 Nov 2022 - 18h00 | Atualizado em 27 Nov 2022 - 18h00

Infectologistas acabaram ontem (26/11) a Semana Mundial de Conscientização do Uso de Antimicrobianos, onde foi discutido como precaver que bactérias desenvolvam resistência a essas drogas. A ciência sabe bem o que fazer para prolongar a vida útil dos antibióticos que já existem, mas o desenvolvimento de novos produtos parece se tornar cada vez mais difícil.

As pesquisas contra resistência antibacteriana têm como base o princípio de evitar o uso das drogas mais atuais para combater infecções que ainda possam ser tratadas com aquelas mais antigas. Isso faz com que, por um lado, a resistência a antimicrobianos avance menos rápido. Por outro lado, as drogas diminuem o potencial de lucro (e de investimento) por parte das empresas.

O quebra-cabeça data de pelo menos 2004, quando a Sociedade Americana de Doenças Infecciosas divulgou um artigo com  o título, não por acaso, “Bad bugs, no drugs” (“Bichos ruins, drogas em falta”, em tradução livre).

Quase duas décadas depois, a predição do artigo se tornou real. O desenvolvimento da resistência a antibióticos e a falta de medicações eficientes provoca atualmente por volta de 5 milhões de óbitos no mundo ao ano, com informações do consórcio internacional Antimicrobial Resistance Collaborators.


Bactéria. (Foto: Reprodução/Pexels)


Situação pós-Covid

Há ainda o dificultante de que o número, de 2019, se refere a um contexto anterior à pandemia de Covid-19. Depois, a circunstância piorou. A superlotação que o vírus causou em hospitais e o acréscimo da prescrição precipitada de antibióticos fez com que as bactérias super-resistentes se disseminassem ainda mais.

Do meio para o fim de 2022 a tendência foi de a situação voltar ao normal, mas no Brasil, infelizmente, o normal já não era uma situação boa, comparada à de hospitais americanos e europeus, alerta o especialista em infectologista Alexandre Zavascki, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia.

A entrada de novos antibióticos para tratar bactérias multirresistentes é uma exigência que já se sente no Brasil, entretanto há poucas opções em vista.

Foto destaque: Bactéria em análise. Reprodução pexels.

 

Deixe um comentário

Lorena Bueri CEO, Lorena Bueri, madrinha perola negra lorena bueri, lorena power couple, lorena bueri paparazzi, Lorena R7, Lorena Bueri Revista Sexy, Lorena A Fazenda, Lorena afazenda, lorena bueri sensual, lorena gata do paulistão, lorena bueri gata do paulistão, lorena sexy, diego cristo, diego a fazenda, diego cristo afazendo