Money

Como um microempreendedor obtém bons resultados na gestão da sua empresa

Os especialistas Ana Leoni e Murilo Duarte ensinam três técnicas super importantes para os microempreendedores, focando principalmente na questão financeira.

3 min de leitura
28 Ago 2021 - 12h50 | Atulizado em 28 Ago 2021 - 12h50

A cada ano o número de microempreendedores vem crescendo cada vez mais, no ano de 2019 foi feito um levantamento pelo IBGE onde totalizam 24 milhões de pessoas atuando como profissionais autônomos, um record desde 2012.

Com a chegada da pandemia essa modalidade tem sido bem explorada pelas pessoas, segundo o relatório GEM (Global Entrepreneurship Monitor) de 2020, mais de 14 milhões de brasileiros se tornaram MEI neste período. Muitos profissionais iniciaram no microempreendedorismo por opção, outros pela necessidade ou até mesmo pelo desejo de uma renda extra conciliando o trabalho formal com a carreira autônoma.

Em qualquer área de atuação é preciso uma organização financeira, porém este novo modo de trabalho exige uma organização mas rigorosa nas finanças. Segundo a especialista em comportamento financeiro Ana Leoni e atualmente empreendedora no projeto Dinheiro com atitude, um dos primeiros passos a serem tomados é traçar um perfil detalhado do novo estilo de renda. Isto significa identificar as fontes de receita e as despesas mensais "Assim, o profissional vai ter uma ideia do seu ganho efetivo”, explica.

O ex-auditor sênior da KPMG, umas das maiores empresas de prestação de serviços profissionais, Murilo Duarte, também deu dicas de como ter este controle financeiro. É preciso manter atenção em todo dinheiro que entra e sai do orçamento e também na reserva de emergência principalmente por conta da oscilação de renda que é um fator comum na área do microempreendedorismo. “Precisa definir uma porcentagem da receita para construir a reserva, além de controlar os custos. O percentual é uma boa medida justamente porque a renda não é fixa, esse valor vai ser menor ou maior ao longo do tempo.”


                                     

                                                                                      (Foto: Cálculo de finanças. Reprodução/Pixabay)


Muitas pessoas tem receio de investir sendo empreendedor, Ana Leoni fala sobre o investimento em renda variável para auxiliar nessa questão, “O ponto-chave é dividir os investimentos do profissional dos investimentos pessoais, porque os investimentos da Pessoa Jurídica precisam ser mais conservadores e voltados para os negócios da companhia: ela não investe para sua própria aposentadoria, mas para garantir que ela produza aquilo que precisa no mercado.” É muito importante e necessário que haja a separação de investimentos da empresa com investimentos pessoais, pois dentro das despesas do negócio o dinheiro já está destinado a investimentos que ajudarão no crescimento e evolução do negócio.

Estes profissionais possuem uma renda mensal variável, portanto se ele não tiver uma boa organização financeira e uma boa gestão de processos terá mais dificuldades. Além desse investimento em renda variável, Ana aconselha a essas pessoas a contarem com um seguro para sua segurança financeira. “A reserva pode ser menor, porque o empreendedor tem um seguro que pode ajudar em momentos de instabilidade.”

Murilo Duarte explica um outro passo muito importante no setor financeiro, identificar cada dívida, ele sugere que as dívidas mais caras precisam ser pagas primeiro. “Uma forma de fazer isso é negociando a dívida, definir o quanto ele consegue quitar mensalmente e geralmente dar algum bem como garantia”. 

https://lorena.r7.com/post/Inflacao-ultrapassa-os-reajustes-salariais-e-prejudica-os-trabalhadores-brasileiros

https://lorena.r7.com/post/Virgin-Orbit-chegara-a-Bolsa

https://lorena.r7.com/post/Mercado-de-luxo-projeta-alta-de-ate-50

Além dos desafios financeiros Ana Leoni pontua outras duas questões para quem está deixando de trabalhar como CLT para iniciar a carreira autônoma a primeira é entender os pontos fortes e fracos do negócio que está se iniciando e como ele pode se fortalecer no mercado. Para isso Duarte compartilha uma dica: “É interessante começar o negócio enquanto ainda está trabalhando no emprego formal, porque quando chegar a hora de largar, ele já vai ter os dois pés no negócio já vai entender um pouco mais da demanda diária. Apesar de toda a correria, depois ele consegue ter uma produtividade maior.” E em segundo, é importante se atentar a questão psicológica. “Saber que haverá responsabilidade pelo cafezinho do cliente até o produto final, que será um trabalho sozinho, com novos desafios, como uma hora ter vários clientes e outra, nenhum.

Estes são os três quesitos mais importantes para o sucesso de uma empresa, finanças, profissionalismo e psicologia. Para obter bons resultados é necessário uma atenção especial nestas questões.

 

(Foto destaque: Gráfico de aumento empreendedorismo. Reprodução/Pixabay).

 

Deixe um comentário