Celebridades

Carol Castro fala sobre saúde mental na pandemia: 'Mexeu muito comigo'

A atriz Carol Castro em entrevista para a revista "Quem", fala sobre os desafios da pandemia, saúde mental e sua decisão de retornar à terapia.

3 min de leitura
02 Ago 2021 - 16h15 | Atulizado em 02 Ago 2021 - 16h15

Muitas pessoas tiveram a saúde mental afetada por conta da pandemia causada pelo coronavírus, e com a atriz Carol Castro não foi diferente. Em entrevista para a revista “Quem”, a atriz, de 37 anos, revela que decidiu retornar para a terapia quando percebeu que estava ficando mal e decidiu cuidar de si.

A atriz, que faz as sessões de terapia online semanalmente revela ser uma pessoa sensível, que sente demais as coisas. “Sou o tipo de pessoa que sente muito tudo. Tenho essa coisa de querer salvar o mundo”, conta ela.

Carol ainda revela que além de enfrentar os desafios da situação mundial, conhecer o outro lado das pessoas mexeu muito com ela. “A pandemia chegou num momento em que a gente tem que usar máscaras, mas muitas máscaras caíram. Isso mexeu muito comigo”, desabafou.

Carol Castro conta que o período de quarentena foi difícil e que pensar na situação de outras pessoas abalava muito ela. “Eu ficava mal vendo a situação das pessoas que não tinham condições de ficar em casa ou que não tinham máscaras”. Para atravessar esse momento difícil, a atriz buscou refúgio não só na terapia, mas também nas pessoas que ama, a filha Nina, de 3 anos e o namorado, o ator Bruno Cabrezizo, de 42 anos.

 

Leia mais: Ilha Record: Direto do exílio, Dinei ganha poder de interferir no jogo

Leia mais: Netflix divulga trailer da Parte 1 da 5º temporada de 'La Casa de Papel'

Leia mais: 'Queria viver uma vilã ', diz Pocah sobre o desejo de ser atriz 


Carol Castro e sua filha Nina. (Reprodução/Instagram)


 

A atriz celebra por já estar vacinada contra a covid-19 depois de ter passado por momentos difíceis na quarentena. “Estou muito emocionada por ter sido vacinada. É um filme que passa na cabeça”. Carol Castro conta que sentiu alívio e revolta por tantos que poderiam ter tomado e não tomaram.

“Busco não perder as esperanças... Por mais que seja um período tão obscuro que a gente está vivendo no país, com toda revolta e com toda dor, tento ter essa visão de luz e de esperança porque é importante. O gesto de vacinar para mim é um respiro, um alívio", completou.

 Foto destaque: (Reprodução/Vinícius Mochizuki)

Deixe um comentário