“Carlinhos e Carlão”: comédia com Luis Lobianco é eficaz ao tratar de crimes como a homofobia de forma leve

Publicado 16 de Nov de 2020 às 10:49

Estreado no serviço de streaming da Amazon Prime Video neste último sábado (14), o cineasta Pedro Amorim nos entrega um produto que discursa com a homofobia, apostando no humor com pitadas de drama e dilemas familiares. Pedro que já trabalhou com Kéfera em 2019 Eu sou mais eu, Camila Morgado e Murilo Benício em 2017 Divórcio, Danton Mello em 2015 Superpai, e Bruno Gagliasso em 2013 Mato sem cachorro, agora estrela com um time que traz Luis Lobianco ao lado da humorista Thati Lopes, Thiago Rodrigues, Victor Lamoglia, Marcelo Flores e o icônico Otávio Augusto.

Lobianco protagoniza uma história que coloca no centro de um tema ainda pendente na sociedade toda a sua família e o rol de seus amigos e parceiros de trabalho. O tema da homofobia, preconceito e intolerância contra a comunidade LGBTQIA+, consegue costurar toda a trama e envolve todas as faixas etárias: desde o dilema da criação dos pais com seus filhos, passando por uma adolescência e juventude que respira tais discursos hostis até a fase adulta, que ainda resiste em acolher e respeitar.

Pedro Amorim é brasiliense. É diretor, escritor, roteirista e ator brasileiro. O talento para as câmeras na família não é nenhuma novidade. Seus irmãos Vicente Amorim e João G. Amorim também mantém uma filmografia considerável. Em 2004, Pedro Amorim também esteve na equipe de montagem e produção do filme Olga e em 2017 levou o prêmio de Melhor Filme de Comédia do Brasil por Divórcio. O cineasta ainda tem no prelo o longa Derrapada que estava sendo filmado na Argentina. O filme é em parceira com a Vitrine Filmes e ainda não foi divulgada uma data de estreia. Carlinhos e Carlão é seu mais recente trabalho.

Leia mais: "The Boys" continua mais sangrenta e com cenas de luta girl power fechando o arco da segunda temporada 

 

Alerta de spoilers!!!


Luis Lobianco estrela filme na Amazon Prime Video. (Foto: Reprodução/Poster de Divulgação/DOWNTOWN Filmes)


Carlinhos/Carlão (Lobianco) é um rapaz que segue sua vida rotineira em seu bairro onde mora sua família, seus amigos e onde concentra toda a sua relação social com trabalho e lazer. A grande pegada do longa de Pedro Amorim é a investida forte e eficaz do tema da homofobia sem avisar o público. Carlão e seus amigos Cadinho (Marcelo Flores), Edney (Victor Lamoglia), Antunes (Pedro Monteiro) e Zeca (Saulo Rodrigues) despejam piadas desconfortáveis e homofóbicas em cima de Guga (Suzy Brasil).

O que endossa ainda mais esse discurso, é que tal comportamento vem sendo pregado desde a criação familiar de Carlão, entranha no lazer com os amigos no futebol, - que o filme deixa bem claro que jogar bola é coisa de homem – e vai até as relações sociais num bar, na rua, na praça, no público. O patriarca dessa família interpretado por Otávio Augusto é insustentável em seu comportamento até mesmo violento com a família durante uma refeição à mesa.

 

“Eu sou você e você é eu”

Com essa apresentação que nos incomoda, Pedro Amorim insere o elemento chave: a comédia. Abordada de uma maneira “mágica”, estilo Se eu fosse você, o diretor joga o público sem o uso de paraquedas no dilema que Carlão passa a enfrentar: durante o dia ele é Carlão, vendedor de automóveis e continua seu discurso machista com os amigos. De noite ele é Carlinhos, livre, trabalhado na purpurina compartilhando do universo que tanto repudia e enoja.

A trama em nenhum momento perde seu ritmo e nem nos deixa desconectados. Pedro Amorim tem a magia nas lentes da câmera e consegue colocar o público em cada cena, em cada situação. Mas, o diretor não se adianta em resolver o problema. A questão da homofobia é ainda mais séria. E não se resolve com um armário mágico e nem com purpurinas. Homofobia é crime. Destilar discursos de ódio e carregados de preconceito pode matar, destruir famílias e separar gerações.


Comédia brasileira tem humor e drama ao abordar tema da homofobia. (Foto: Reprodução/ Instagram @luislobianco)


O personagem de Luis Lobianco vive o drama de sentir que ser família é respeitar e acolher as diferenças. Quando se vive na pele a experiência de quem tem uma escolha de vida diferente, o ponto de vista muda. Os xingamentos se voltam para si mesmo. Xingamentos que evoluem ao ponto de ser até mesmo espancado. Carlinhos ou Carlão, teve que se desconstruir de um discurso familiar, autoritário, machista e homofóbico para entender que o mundo em que vive não é assim. Ele é diferente e é lindo do jeito que é.

Carlinhos e Carlão estava com data de estreia prevista para os cinemas. Com a pandemia do Coronavírus, junto a outras produções essa experiência não foi possível. Agora, está disponível na plataforma da Amazon Prime Video. Carolina Castro e Célio Dutra assinam o roteiro. Temos um ponto positivo que é a participação de Marcelo Souza, a drag queen Suzy Brasil no elenco. E, também, o leve suspense que nos entrega um drama que nos assusta, mas, também, consegue dar realidade ao que muitos de nossos amigos, parentes, gente como nós, passa a cada dia.

 

 

(Foto destaque: Luis Lobianco estampa poster de divulgação de "Carlinhos e Carlão". Reprodução/Via twitter @PrimeVideoBR)

 

Deixe um comentário